Educação

USP cai onze posições em um dos principais rankings do mundo

A instituição desceu do 132º lugar para o 143º na lista da Quacquarelli Symonds

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

USP Cidade Universitária
(Foto: Frame/Folhapress)

A Universidade de São Paulo (USP) caiu onze posições no ranking da publicação britânica Quacquarelli Symonds (QS), uma das principais listas de universidades do mundo. A instituição saiu do 132º lugar, em 2014, para o 143º em 2015. É a segunda queda consecutiva - em 2013, a universidade estava em 127º.

+ "Foi a vida que ele escolheu", diz mãe de suspeito de atirar em aluno da USP

A USP é a segunda instituição da América Latina a aparecer na lista, atrás da Universidade de Buenos Aires (UBA), na Argentina, que está na posição 124.

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), por outro lado, subiu onze posições desde o ano passado e é a segunda brasileira mais bem colocada, em 195º do ranking. Desde 2013, a instituição avançou 20 colocações. Unicamp e USP são as únicas brasileiras entre os top 200, de um total 891 avaliadas.

A terceira brasileira a aparecer no ranking do QS é a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que caiu do 271º lugar para 323º em um ano.

+ USP vai punir autores de "ranking sexual"

A avaliação leva em conta, entre outros pontos, reputação acadêmica, citações de trabalhos em artigos científicos e número de estudantes e professores estrangeiros.

Pelo quarto ano consecutivo, o ranking do QS é liderado pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos. Em segundo lugar aparece a Universidade de Harvard, também nos EUA, e, em terceiro, a de Cambridge, no Reino Unido.

+ Confira as últimas notícias da cidade

O Brasil é o melhor da América Latina, com 22 universidades no ranking. Em seguida vem Argentina, com dezesseis, e México, com catorze.

Os rankings incluem universidades de 82 países. Trinta e quatro países aparecem no top 200. Os Estados Unidos lideram, com 49 instituições, à frente do Reino Unido (trinta), Países Baixos (doze), Alemanha (onze), Canadá, Austrália e Japão (oito), China (sete), França, Suécia e Hong Kong (cinco).

Fonte: Estadão Conteúdo