Saúde

Justiça retoma medida que deverá tirar a Unimed Paulistana do mercado

Agência Nacional de Saúde Suplementar publicou nesta quarta (17) nova resolução para a liquidação extrajudicial da operadora

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

capa-plano-de-saude-6
Unimed Paulistana: liquidação extrajudicial (Foto: Daniel E. Carotenuto / Getty Images)

A ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) publicou no Diário Oficial da União desta quarta (17) resolução que retoma a liquidação extrajudicial da operadora Unimed Paulistana.

No dia 1° de fevereiro, a ANS já havia decretado a liquidação da operadora de planos de saúde, mas ela foi suspensa por uma liminar no mesmo dia. A decisão desta quarta-feira revoga essa liminar. A medida deve encerrar o processo de retirada da empresa do mercado.

+ Por que somos tão maltratados pelos planos de saúde

A decisão foi proferida na quinta (11) pela juíza federal Diana Brunstein, da 7ª Vara Federal da Secção Judiciária de São Paulo, mas publicada somente nesta quarta.

Em nota, a Unimed do Brasil confirmou a revogação da decisão liminar e informou que, dessa forma, um liquidante extrajudicial nomeado pela ANS volta a responder legalmente pela operadora.

Unimed
ANS publica nova resolução: operadora de seguros deverá sair do mercado (Foto: Eduardo Knapp/Folhapres)

O prazo para que os beneficiários da Unimed Paulistana exerçam a portabilidade extraordinária de carências continua valendo até 1° março.

+ Saiba o que os usuários da Unimed Paulistana podem fazer

Com isso, eles podem escolher um dos planos disponíveis no sistema Unimed ou buscar produtos em qualquer operadora de plano de saúde, sem necessidade de cumprir novos períodos de carência. Os beneficiários remanescentes da operadora podem fazer a portabilidade, independentemente do tipo de contratação e da data de assinatura dos contratos.

"Vale lembrar que o beneficiário que estiver cumprindo carência ou cobertura parcial temporária na Unimed Paulistana pode exercer a portabilidade extraordinária de carências sujeitando-se aos respectivos períodos remanescentes na outra operadora escolhida.

+ Gestante com zika vírus sofre aborto em São Vicente

Caso o plano de destino possua a segmentação assistencial mais abrangente do que o plano em que o beneficiário está vinculado, poderá ser exigido o cumprimento de carência no plano de destino somente para as coberturas não previstas no plano de origem", alertou a ANS no início de fevereiro.

Dívida

Com uma dívida em torno de R$ 2 bilhões, a Unimed Paulistana teve de transferir seus 744 mil beneficiários por determinação da ANS em setembro do ano passado. A agência disse que foram identificados problemas administrativos e financeiros na operadora.

+ Últimas notícias: fique por dentro do que acontece na cidade

Ainda naquele mês, a Unimed Paulistana assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, Procon-SP, ANS, Unimed do Brasil e as operadoras Unimed Fesp, Unimed Seguros e Central Nacional Unimed, que assumiram os clientes da operadora, para garantir a transferência de beneficiários de planos individuais/familiares e coletivos com menos de trinta vidas, beneficiando 155 300 clientes.

Em novembro, a medida foi ampliada para todos os contratos. Nenhum beneficiário precisa cumprir carência.

Fonte: VEJA SÃO PAULO