Polícia

Como funciona a segurança de aeroportos fora do Brasil

Eles são equipados com milhares de câmeras

Por: Pedro Henrique Araújo, Claudia Jordão e João Batista Jr. - Atualizado em

Capa 2256 - Aeroporto John F. Kennedy
Em Nova York: o aeroporto John F. Kennedy conta com alto número de seguranças (Foto: Michael Nagle / Getty Images)

John F. Kennedy (Nova York)

Passageiros por ano — 50,3 milhões

Furtos — 493 por ano (1,3 por dia)

Efetivo de segurança — 4.000

Câmeras — 4.500

Investimento mais recente em segurança — Instalou esteiras que levam as bagagens do check-in até praticamente dentro do avião, o que evita o contato dos ladrões com o alvo

Heathrow (Londres)

Passageiros por ano — 67 milhões

Furtos — 365 por ano (1 por dia)

Efetivo de segurança — 3.000

Câmeras — 5.000

Investimento mais recente em segurança — Instalou câmeras com sensores que podem detectar o calor de armas de fogo

Barajas (Madri)

Passageiros por ano — 50 milhões

Furtos — 1.460 por ano (4 por dia)

Efetivo de segurança — 3.700

Câmeras — 4.500

Investimento mais recente em segurança — Orientou as companhias a diminuir o número de funcionários temporários e terceirizados

Capa 2256 - Aeroporto Charles de Gaulle
Charles de Gaulle: o aeroporto francês tem uma média de 348 furtos por ano, contra os 1.389 do Brasil (Foto: Bertrand Langlois / AFP / Getty Images)

Charles de Gaulle (Paris)

Passageiros por ano — 61 milhões

Furtos — 348 por ano (0,95 por dia)

Efetivo de segurança — 3.000

Câmeras — 5.800

Investimento mais recente em segurança — Construiu novas alas, o que deixou os funcionários e os passageiros menos apinhados

Cumbica (São Paulo)

Passageiros por ano — 30 milhões

Furtos — 1.389 por ano (3,8 por dia)

Efetivo de segurança — 1.258

Câmeras — 600

Investimento mais recente em segurança — Dobrou a quantidade de câmeras nos últimos dois anos

Fonte: VEJA SÃO PAULO