Memória

Maior goleiro-artilheiro da história, Rogério Ceni encerra a carreira

Além de defesas antológicas, como na final do Mundial de Clubes de 2005, craque anotou 131 gols em mais de 25 anos no São Paulo

Por: Mauricio Xavier

Rogério Ceni
Rogério Ceni, cobrando falta contra o Corinthians, em 2000 (Foto: Renato Pizzutto)

Uma lenda dos gramados pendurou as chuteiras. E as luvas. Símbolo das principais conquistas do São Paulo nos últimos anos, o goleiro Rogério Ceni despediu-se da torcida no Brasileirão deste ano. Natural de Pato Branco (PR), ele chegou ao clube em 1990, aos 17 anos.

+ Confira as últimas notícias da capital

Em pouco tempo, mostrou qualidade sob as traves e com a bola no pé. Marcou seu primeiro gol em 1997, contra o União São João. Em 2005, foi eleito o melhor jogador da final do Mundial de Clubes, na vitória por 1 a 0 sobre o Liverpool, da Inglaterra, quando realizou uma defesa antológica em cobrança de falta de Steven Gerrard.

Rogério Ceni
Rogério Ceni, erguendo o troféu do Mundial de Clubes, em 2005 (Foto: Alexandre Battibugli)

Entre seus outros vinte títulos estão quatro Paulistas (1992, 1998, 2000 e 2005), três Brasileiros (2006, 2007 e 2008), duas Libertadores (1993 e 2005) e a Copa do Mundo de 2002 pela seleção (era um dos reservas de Marcos).

+ Fernando Prass: gaúcho se firma como goleiro do Palmeiras

No total, disputou 1 237 jogos pelo São Paulo, anotando 131 gols, recorde entre goleiros. Nesta sexta (11), está marcado um amistoso no Morumbi para sua despedida, com um time formado por campeões mundiais de 1992 e 1993 e outro com vencedores de 2005.

Fonte: VEJA SÃO PAULO