Receitas - doces

Receita de banana flambada na cachaça do Maurício Ganzarolli

É brasileiríssima a sobremesa servida no restaurante Bananeira: a fruta, flambada na cachaça, é escoltada por sorvete, laranja, coco fresco e castanha-do-pará

Por: Marcela Besson - Atualizado em

  

Ingredientes

4 bananas-ouro

½ colher (sopa) de manteiga sem sal

1 colher (sopa) de açúcar

50ml de cachaça

80ml suco de laranja

2 bolas de sorvete de tapioca

8 gomos de laranja

1 colher (sopa) de castanha-do-pará

Hortelã e coco laminado para decorar

Farinha de laranja para finalizar

Modo de preparo

Descasque as bananas e corte-as ao meio no sentido longitudinal. Numa frigideira antiaderente, aqueça a manteiga, doure as bananas de ambos os lados e polvilhe o açúcar.

Despeje a cachaça na frigideira e, com cuidado, deixe flambar as bananas. Adicione o suco de laranja e espere o caldo reduzir pela metade.

Montagem

Em um prato fundo, disponha as fatias de banana e jogue um pouco da calda por cima.

Pique grosseiramente a castanha-do-pará, arranje-as no prato e coloque o sorvete por cima. Decore com coco laminado, gomos de laranja e hortelã.

Por fim, o chef polvilha as bananas flambadas com uma farinha de laranja feita artesanalmente.

Ela é opcional, mas, se quiser fazê-la é simples. Descasque uma laranja e pendure a casca numa área quente da cozinha, durante cerca de três dias ou até que fique bem seca. Depois de desidratada, bata no liquidificador com meia colher (sopa) de açúcar de confeiteiro.

Dificuldade: baixa

Rendimento: 2 porções

Tempo: 30 minutos

Sobre o Bananeira

No salão sossegado e arejado da casa, dá até para acreditar, por alguns instantes, que não estamos em São Paulo. A decoração rústica lembra clima de praia e os pratos coloridos que saem da cozinha do chef Maurício Ganzarolli fazem referência às tradições nacionais. O restaurante foi indicado no guia Comer e Beber, de Vejinha, como uma das melhores cozinhas brasileiras da cidade.

Miniglossário da cozinha brasileira

Arroz-de-carreteiro: nascida nos pampas gaúchos, a receita original leva arroz e carne de charque picada, refogados em banha de porco, alho e cebola.

Barreado: carne cozida em fogo brando, durante muitas horas, em panela de barro tampada e fechada.

Bobó: de origem africana, é feito com feijão e azeite-de-dendê, acompanhado de inhame ou aipim. Em geral, é servido com camarão.

Caldeirada: típica de pescadores, é um guisado preparado em caldeirão com diversas espécies de peixe.

Canjica: papa de consistência cremosa feita com milho verde ralado, açúcar, leite de vaca ou de coco e canela em pó.

Caruru: espécie de cozido de caruru (planta de folhas verdes) ou quiabos, com camarões secos, peixe, azeite-de-dendê e pimenta.

Moqueca: ensopado feito de peixe, mariscos ou galinha. Leva ainda temperos como coentro e cebola e, sobretudo, leite de coco, azeite-de-dendê e pimenta-de-cheiro.

Munguzá: iguaria feita de grãos de milho (geralmente branco) cozidos em caldo açucarado e polvilho de canela.

Paçoca: carne fresca ou seca cozida e que, depois de picada, é refogada em gordura quente e socada com farinha de mandioca ou de milho.

>> No Amazonas: castanha-do-pará assada e socada com farinha, sal e açúcar, tudo reduzido a grãos pequeninos.

>> Na região sul: amendoim pilado com farinha e açúcar.

Pirão: caldo de peixe temperado com óleo de palma e acompanhado de farinha de mandioca.

Tapioca: beiju feito com farinha de mandioca. Pode receber recheios doces ou salgados.

Vatapá: receita típica da Bahia, feita com peixe ou galinha, a que se adiciona leite de coco, camarões secos e frescos, pão amanhecido, amendoim e castanha-de-caju torrados e moídos. É temperada com azeite-de-dendê e pimenta.

Vaca atolada: costela cozida com mandioca.

Fonte: VEJA SÃO PAULO