Manifestação

Sindicato protesta em frente à Schutz na Oscar Freire contra trabalho escravo

Ato cobrou esclarecimentos sobre trabalhadores que foram encontrados em situação de escravidão numa confecção na Zona Leste; entre os itens apreendidos no local estavam peças da marca 

Por: Redação VEJASAOPAULO.COM - Atualizado em

A loja Schutz da Rua Oscar Freire foi alvo nesta quarta-feira (12), ao meio-dia, de uma manifestação organizada pelo Sindicato dos Comerciários de São Paulo. A ação cobrou esclarecimentos sobre a descoberta de dezessete trabalhadores peruanos em situação de escravidão numa confecção no bairro de Cangaíba, na Zona Leste.

Grupo toma banho em caida d'água do Burger King

Os trabalhadores foram encontrados durante uma operação realizada na última sexta-feira (7) pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que contou com a participação do Consulado do Peru em São Paulo. Um peruano, que fugiu do local após ser agredido pelo dono da confecção, fez a denúncia. Entre os itens apreendidos no local estavam peças da marca.

+ Problema em linha da CPTM complica paulistano

O protesto desta quarta reuniu cerca de 20 pessoas na frente do estabelecimento e durou por volta de uma hora. O movimento dentro da loja, entretanto, permaneceu inalterado, com clientes entrando e saindo durante toda a manifestação.

Em nota divulgada à imprensa, a Schutz diz que "repudia qualquer violação a leis trabalhistas ou aos direitos humanos, e está à inteira disposição das autoridades para colaborar com quaisquer esclarecimentos". A marca, reconhecida pela confecção de calçados, também afirma que o fornecedor denunciado não tinha relação alguma com a feitura destes produtos e, sim, com a produção de roupas de uma linha menor da Schtuz. Os calçados, de acordo com a marca, são feitos por ela numa fábrica em Campo Bom, no Rio Grande do Sul.

Segundo relataram em depoimento, os trabalhadores encontrados pelo Ministérios do Trabalho e Emprego eram vigiados por câmeras de segurança, faziam jornadas exaustivas, não tinham descanso semanal e saíam da confecção apenas para dormir em um alojamento vizinho ao local de trabalho.

"Constatamos também a condição de servidão por dívida, já que os donos custearam a vinda deles para São Paulo e eles ficaram devendo esse dinheiro. A situação trabalhista é absurda e nesse caso temos também a questão criminal”, explicou o chefe estadual de fiscalização da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, Marco Antonio Melquior. Participaram ainda da ação a Polícia Civil, o Ministério Público do Trabalho, a Secretaria de Justiça e Defesa da Cidadania e a Defensoria Pública Federal.

+ Delegado apreende bicicletas que não têm nota fiscal

Na oficina foram apreendidas também notas fiscais, documentos, computadores e peças de roupas para análise. Entre os itens encontrados estavam peças das marcas Schutz e de outras três grifes da região do Bom Retiro: Unique Chic, Hit e Forma Fashion.

“Organizamos a primeira manifestação na Oscar Freire, pois a Schutz é a marca mais popular entre as consumidoras e muitas vezes elas não fazem ideia da situação em que os produtos caros da loja são fabricados”, diz Josimar Andrade, diretor do sindicato.

Fonte: VEJA SÃO PAULO