CIDADE

Promotoria denuncia quatro pessoas por crime de racismo contra Maju

A jornalista foi alvo de comentários preconceituosos em julho de 2015, em uma rede social

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Maju
Maria Julia Coutinho foi alvo de comentários racistas em julho de 2015  (Foto: Divulgação Globo)

O Ministério Público de São Paulo denunciou nesta terça (21) quatro investigados pelo crime de racismo contra a jornalista Maria Júlia Coutinho, da TV Globo. Érico Monteiro dos Santos, Rogério Wagner Castor Sales, Kaique Batista e Luis Carlos Félix Araújo também são acusados de falsidade ideológica, injúria, corrupção de menores e associação criminosa na internet. A denúncia foi divulgada pelo repórter Walace Lara, da TV Globo.

+ Marcelo Araújo deixa a Secretaria da Cultura do Estado e assume Ibram

Maju, como a jornalista é conhecida, foi alvo de comentários racistas em julho de 2015, na página oficial do Jornal Nacional, no Facebook. Internautas escreveram postagens pejorativas sobre a cor da pele da repórter em uma publicação que continha a foto dela com a previsão do tempo para o dia seguinte.

+ Russomanno lidera corrida em São Paulo com 26% das intenções de voto

Segundo a promotoria, os quatro, "juntamente com outras pessoas ainda não identificadas nos autos, associaram-se para formar uma sociedade criminosa cibernética, visando ao cometimento de crimes de falsidade ideológica e, posteriormente, de racismo, de injúria qualificada e de corrupção de menores, com estabilidade e permanência, no denominado ciberespaço".

+ Confira as últimas notícias 

"Para tanto, valeram-se de dados falsos, por eles próprios imaginados, com os quais abriram contas na rede mundial de computadores (internet) em nomes de terceiros, já indicados acima como nicknames, omitindo-se dados verdadeiros, seus nomes e demais dados qualificativos reais nas referidas aberturas de "contas". Tal providência tinha como um dos objetivos a autoproteção e a busca da impunidade, dificultando sua identificação, especialmente porque pretendiam valer-se de tais identidades falsas para a criação de grupos do Facebook que se caracterizavam como verdadeiras gangues virtuais", aponta a denúncia.

Fonte: VEJA SÃO PAULO