Educação

Professores da rede estadual seguem em greve

Em assembleia no vão livre do Masp nesta sexta (15), docentes resolveram manter paralisação

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Greve Professores manifestação
Professores da rede estadual estão em greve desde março (Foto: Folhapress)

Professores da rede estadual de São Paulo aprovaram a continuidade da greve em assembleia no vão do Museu de Arte de São Paulo (Masp) nesta sexta-feira (15). A paralisação já dura dois meses e outra assembleia foi agendada para a próxima sexta (22).

Eles saíram do vão do Masp, onde ocorreu a votação, em passeata em direção à sede da Secretaria da Fazenda para pedir o pagamento dos dias parados na greve. Foi aprovado um trajeto que inclui bloqueio de vias centrais da capital, como a Brigadeiro Luís Antonio e a Avenida 23 de Maio.

+ Metroviários podem entrar em greve

Por volta das 17h, os manifestantes ocuparam totalmente a Avenida Paulista, no sentido Paraíso. Às 18h, o grupo bloqueou a 23 de Maio, no sentido centro. Segundo a Polícia Militar, 1,8 mil manifestantes participam do ato. A Apeoesp fala em 60 000 manifestantes. A PM acompanhou o ato com pelo menos catorze motocicletas e seis viaturas, além da tropa de braço.

O governo estadual cortou o ponto dos professores no holerite de maio e trava uma disputa com a categoria na Justiça pelos descontos. Na última decisão, do Órgão Especial do Tribunal de Justiça, o corte de ponto foi proibido, mas cabe recurso.

+ Sabesp arrecada 79 milhões de reais com multa

Os professores da rede estadual, liderados pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), estão em greve desde o dia 16 de março. Eles pedem reajuste salarial de 75,33% para que, segundo cálculo do sindicato, haja equiparação da categoria a outras profissões com ensino superior. A meta é prevista no Plano Nacional de Educação (PNE), sancionada em 2014 pela presidente Dilma Rousseff.

Na última reunião da categoria com a Secretaria Estadual de Educação, o governo disse que manterá a política salarial e que deverá apresentar um índice em junho. Também foram reforçadas propostas aos docentes temporários, como aumento do contrato para 3 anos e inclusão em plano médico dos servidores públicos (Iamspe).

+ Acompanhe as últimas notícias da cidade 

O governo considera a greve "extemporânea" e tem afirmado que a adesão é inferior a 10% de toda a rede estadual. Já a Apeoesp fala em 50% de adesão.

Fonte: VEJA SÃO PAULO