Polícia

Presos dois bandidos do caso do Papai Noel que roubou helicóptero

Na noite de quinta (7), a polícia rendeu o falso Bom Velhinho Nabiel Cordeiro da Silva e o piloto Rodrigo Sena, envolvidos na ação que ocorreu semanas antes do Natal

Por: Ana Carolina Soares - Atualizado em

Papai Noel
O suspeito Nabiel Cordeiro da Silva posando para foto na sala de espera do hangar minutos antes do assalto: quadrilha experiente e organizada (Foto: Reprodução)

Nabiel Cordeiro da Silva, de 30 anos, foi preso nesta sexta-feira (8), em Queimadas, interior da Bahia. Ele é suspeito de ter se vestido de Papai Noel em 27 de novembro, em São Paulo, para roubar um helicóptero modelo Robinson R-44.

A prisão, coordenada pela Polícia Civil de São Paulo, com apoio da Polícia Militar da Bahia, foi divulgada pela Secretaria da Segurança Pública dos dois estados. A Justiça paulista decretou o encarceramento temporário do suspeito.

+ PM vai prender quem depredar patrimônio durante ato em SP

Silva foi detido na casa da mãe, na cidade a 400 quilômetros da capital baiana. Ele morava em Salvador, em um condomínio de luxo, e levava uma vida de ostentações.

No momento em que ocorria a abordagem do "Papai Noel ladrão", a polícia de São Paulo rendeu o piloto Rodrigo Sena. O rapaz foi preso em flagrante, após agentes encontrarem uma arma em seu carro.

+ Alckmin suspende por um ano extensão da Linha 2-Verde até Guarulhos

"Outros quatro suspeitos da ação já foram identificados e serão presos em breve", diz Marcelo José Carriel Antonio, delegado seccional da polícia civil de Sorocaba, responsável pelas investigações. Ele também afirma que nas próximas semanas deverá recuperar o helicóptero.

Silva e Sena deverão ficar detidos em São Paulo até o julgamento do caso.

Entenda o caso

A poucas semanas do Natal, Silva foi até o Campo de Marte, na capital, vestido de Papai Noel. Ele contratou o piloto Caio Pinto para levá-lo até uma festa para crianças órfãs na chácara Recanto dos Kovard's, em Mairinque. Antes de partir, o bandido posou para fotos com funcionários. O evento não existia. Ao descer no sítio, alugado pelos criminosos, Pinto foi rendido por dois comparsas. O profissional foi deixado amarrado, enquanto o trio fugia com a aeronave, conduzida por Sena.

+ Confira as principais notícias da cidade

(Com Agência Estado)

Fonte: VEJA SÃO PAULO