SEGURANÇA

Policiais acusados de decapitar deficiente mental são absolvidos

Grupo era suspeit de sequestrar e matar vítima na Zona Sul da capital 

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Highlander
Policiais militares acusados de decapitar deficiente mental: absolvidos em júri popular (Foto: Reprodução/Record)

Quatro policiais militares acusados de sequestrar, matar e decapitar Antonio Carlos da Silva, o Carlinhos, de 31 anos, que era deficiente mental, em outubro de 2008, foram absolvidos em júri popular nesta sexta (6) no Fórum de Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo. Eles também eram acusados de integrar o grupo de extermínio dos "Highlanders", conhecido assim por decapitar suas vítimas.

Mais da metade dos paulistanos afirmam ter medo da polícia

Os réus Moisés Alves dos Santos, Rodolfo da Silva Vieira, Joaquim Aleixo Neto e Anderson dos Santos Salles eram suspeitos de terem sequestrado a vítima no Jardim Capela, Zona Sul. Testemunhas afirmaram terem visto Carlinhos, vivo, ser levado pela viatura 37 104, no dia 8 de outubro. À época, os PMs pertenciam à Força Tática do 37º Batalhão.

Carlinhos foi encontrado sem a cabeça e sem as mãos na cidade vizinha de Itapecerica da Serra. Familiares o identificaram por uma tatuagem no Instituto Médico Legal (IML) de Taboão da Serra, dois dias depois de ter desaparecido. Como não havia provas legais de que o corpo era mesmo da vítima, ele foi enterrado como indigente. 

Os "Highlanders", grupo de nove PMs que teria matado pelo menos 12 pessoas, receberam esse nome porque cortavam a cabeça das vítimas, como no filme de 1986 protagonizado pelo ator Christopher Lambert.

A decapitação seria para dificultar a identificação dos mortos. Os criminosos também despejariam os corpos em outras cidades para que as investigações não fossem conduzidas na capital.

Confira as últimas notícias

Em julho de 2010, os quatro réus chegaram ser condenados a 18 anos e 8 meses pela morte de Carlinhos. Em outubro do ano seguinte, no entanto, um acórdão anulou o resultado do júri porque o promotor exibiu uma camiseta desobedecendo ordem do juiz de não mostrá-la. Nela, havia uma foto da vítima e a frase "deficiente mental é assassinado por PMs da Força Tática".

Fonte: VEJA SÃO PAULO