Criminalidade

Polícia recupera parte da carga roubada do Magazine Luiza

O veículo que transportava celulares e tablets foi localizado no interior de São Paulo

Por: Veja São Paulo

Magazine Luiza
Magazine Luiza: assalto no centro de distribuição da empresa (Foto: Reprodução)

A polícia encontrou nesse domingo (3) parte da carga roubada do centro de distribuição do Magazine Luiza, na região de Jundiaí, na madrugada de sábado (2). O caminhão que transportava celulares e tablets estava abandonado em um posto de combustível em Santo Antônio do Jardim, no interior de São Paulo.

O roubo aconteceu na madrugada de sábado (2), na Rodovia dos Bandeirantes, em Louveira. Vinte homens armados e encapuzados renderam oitenta funcionários do centro de distribuição e roubaram dez caminhões de produtos. A ação aconteceu em menos de três horas.

+ Corpo de homem que trabalhava no Tomorrowland é encontrado em caçamba

De acordo com o delegado Luís Carlos Duarte, titular da Delegacia de Investigações Gerais de Jundiaí, a carga foi localizada em Campinas, após a denúncia de um caminhão abandonado no posto. Ninguém foi preso. "O caminhão abandonado foi roubado em Salto [no interior de São Paulo] no mês de abril", disse Duarte.

A carga recuperada foi devolvida para a empresa, que ainda realiza o levantamento dos produtos roubados, segundo Duarte.

+ Professora diz ter sido vítima de racismo em loja

Ainda de acordo com o delegado, duas pessoas que participaram da ação já foram identificadas por meio da análise de imagens das câmeras de segurança da empresa. Até o momento, nenhum suspeito foi preso.

Ação semelhante

O delegado também afirmou trabalhar com a hipótese de que o crime tenha sido organizado pela mesma quadrilha que assaltou a fábrica da Samsung, na rodovia Dom Pedro I, em Campinas, em julho de 2014. "Uma parte dos envolvidos nesse roubo continua solta, e os dois crimes foram muito semelhantes por conta da ação minuciosa. É possível que as mesmas pessoas estejam envolvidas."

Em nota, a assessoria do Magazine Luiza informou que nenhum funcionário foi ferido durante o assalto e que está colaborando com as investigações (Estadão Conteúdo).

Fonte: VEJA SÃO PAULO