Universo fantástico

Fãs de Percy Jackson transformam Ibirapuera em local de semideuses

Todo sábado, grupo formado por centenas de jovens se reúne para recriar partes da aventura

Por: Juliana Deodoro - Atualizado em

encontro PJ 3
Para o rouba-bandeira, eles são separados em dois times: o vermelho e o azul, cores que são pintadas em seus rostos (Foto: Manoel Marques)

São 13h30 de um sábado no Parque do Ibirapuera. Nas proximidades da marquise projetada por Oscar Niemeyer, um grupo de pelos menos 200 jovens, parcialmente escondidos pelas copas das árvores e com os rostos pintados, enfrentam-se com espadas e lanças em uma disputada partida de rouba-bandeira. Ali, eles são filhos de deuses gregos e romanos que treinam para as futuras batalhas que os esperam. Na realidade, são fãs da franquia de cinco volumes Percy Jackson, cujo segundo filme estreia no dia 16 de agosto.

+ Confira  a galeria de fotos do encontro

+ Assista a uma cena inédita do filme

Reunidos graças ao Facebook, esses jovens se reúnem quase todo sábado no parque há cerca de um ano. O local foi escolhido por ser o mais próximo do que é descrito na saga de Rick Riordan, em que um garoto hiperativo e disléxico descobre ser filho de um deus grego e é levado para um acampamento onde há vários outros semideuses como ele.

Nos livros, a tradicional partida de rouba-bandeira é feita às margens do riacho - no caso, o lago do Ibirapuera- e os participantes moram em chalés que representam os diferentes deuses do Olimpo - árvores com troncos centenários servem de apoio para cartolinas que identificam cada chalé.  "O Ibirapuera é o parque mais acessível e com espaço para todo mundo", explica Higor Giordane, um dos organizadores dos encontros.

A idade dos frequentadores vai de 12 a 18 anos e, além do rouba-bandeira, eles fazem piqueniques, discutem qual livro é melhor, namoram e fazem brincadeiras como "verdade ou consequência". "Eles se tornaram uma família para mim", conta Egberto Júnior, de 18 anos, mais conhecido como Yashi. Ele frequenta os encontros há um ano e administra uma das várias páginas que aglutinam os fãs.

A cada sábado, o evento é organizado por um grupo diferente, mas a lógica dos encontros é sempre a mesma, com a partida de rouba-bandeira como atração principal do dia. Neste ano, pela primeira vez, os grupos realizaram um acampamento de verdade. ALém disso, os participantes estão em contato com redes de cinema para tentar fechar salas exclusivas para o lançamento de Percy Jackson e o Mar de Monstros. "O último filme não tinha nada a ver com o livro, mas queremos ir mesmo assim. Vamos jogar o jogo dos mil erros", diz Yashi.

Pais

Se a mãe de Percy Jackson só faz comidas azuis, a mesma tarefa cabe às mães dos semideuses da realidade. No último sábado (13), a contadora Simone Chiosini fez um enorme bolo azul. Ela também é a estilista repsonsável pela fantasia do filho, Enrico, de 12 anos. "É importante incentivar algo que leva para a leitura. Acaba sendo um encontro social."

Como muitos jovens que vão ao Ibirapuera ainda são novos, alguns pais fazem questão de acompanhá-los. É o caso do supervisor de vendas Vartenei Schultz, de 45 anos, que não só leva os filhos Isabella e Leonardo, de 15 e 10 anos, como também participa das atividades. "Eles precisam de uma voz de freio. É neste momento que protejo os meus filhos e os dos outros", diz.  Para ele, a principal vantagem dos encontros é que os garotos podem se exercitar. "É o que digo: mente sana, corpo sano."

Fonte: VEJA SÃO PAULO