Memória

Parque Buenos Aires comemora centenário com longa-metragem

O Bailado será exibido gratuitamente dentro de um ônibus que ficará estacionado no local até domingo (29), das 7 às 19 horas

Por: Mauricio Xavier (Com reportagem de Helena Bertho)

Parque Buenos Aires - memória
A área verde na década de 20: sem prédios em volta (Foto: Reprodução do livro Higienópolis e Arredores)

Uma ilha verde situada entre a Avenida Angélica e as ruas Piauí, Bahia e Alagoas, em Higienópolis, o Parque Buenos Aires está celebrando seu centenário. Para marcar a ocasião, o filme O Bailado — dirigido coletivamente por trinta artistas e baseado na peça O Bailado do Deus Morto, de Flávio de Carvalho — será exibido gratuitamente dentro de um ônibus que fica ali estacionado até este domingo (29), das 7 às 19 horas.

Inaugurada em 20 de maio de 1913, a então Praça Higienópolis foi rebatizada como Praça Buenos Aires naquele mesmo ano, mas só se tornou parque em 1987. Planejada numa época em que a paisagem da capital ainda era formada por construções baixas, a área contava com um mirante e um telescópio em seu ponto mais alto.

Parque Buenos Aires - mirante -memória (2)
O mirante na época da inauguração: até telescópio (Foto: Reprodução do livro Higienópolis e Arredores)

Após o surgimento de prédios ao redor, o observatório se tornou obsoleto. Foi retirado na década de 60 e substituído por uma área de recreação infantil e pela escultura Mãe, de Caetano Fraccaroli, feita a partir de um bloco de mármore de 24 toneladas.

Mesmo sem a original vista privilegiada, o local ganhou importância ecológica em meio ao concreto do bairro ao longo dos anos. Ali podem ser encontradas 73 espécies vegetais, incluindo algumas ameaçadas de extinção, como a peroba, o pau-brasil e o pinheiro-do-paraná.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO