Pirataria

Operação da Receita Federal fecha grande centro de compras no Brás

A ação no Shopping 25 segue até a sexta (3) e deve apreender aproximadamente 30 milhões de reais em roupas e tênis falsificados

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

brás3
A operação é a maior ação de combate à importação fraudulenta de mercadorias falsificadas promovida pela Receita Federal nos últimos cinco anos na cidade de São Paulo (Foto: Divulgação)

Na semana que antecede o Dia dos Namorados, a Receita Federal promove a Operação Piratas do Brás, que combate a importação fraudulenta de mercadorias falsificadas no setor de confecções. Na segunda (30), trinta agentes fecharam o Shopping 25, um dos principais pontos da região. A equipe fiscalizou 400 boxes e encheu um caminhão com produtos suspeitos.

+ Após caso de estupro, mulheres organizam protesto em São Paulo

brás1
Operação Piratas do Brás fechou o Shopping 25 durante esta semana (Foto: Divulgação)

A operação, que deve seguir até sexta (3), é a maior ação de combate à importação fraudulenta de mercadorias falsificadas promovida pela Receita Federal nos últimos cinco anos na cidade. A expectativa é finalizar a ação apoiada pela Polícia Militar apreendendo entre 20 e 40 milhões de reais em roupas e tênis falsificados e importados irregularmente. 

+ Grades restringem acesso à casa de Temer em São Paulo

brás
A expectativa é finalizar a ação apreendendo entre 20 e 40 milhões de reais em roupas e tênis falsificados e importados irregularmente (Foto: Divulgação)

No ano passado, a Receita Federal apreendeu, em todo o país, 1,89 bilhão de reais em mercadorias. Desse número, 8,5 milhões de reais eram de calçados esportivos e 88,5 milhões de reais em itens de vestuário. Entre essas mercadorias apreendidas estão produtos falsificados e que ingressaram irregularmente no Brasil.

Veja mais fotos da Operação Piratas do Brás:

brás
A ação deve seguir até a sexta (3) (Foto: Divulgação)
brás
Trinta auditores-fiscais e analistas-tributários fiscalizam aproximadamente 400 boxes (Foto: Divulgação)

Fonte: VEJA SÃO PAULO