Criminalidade

Oito torcedores do Corinthians são mortos a tiros na Zona Oeste

Dois homens armados invadiram a quadra da Pavilhão Nove, torcida organizada do clube, que fica embaixo da Ponte dos Remédios, próximo à Marginal Tietê

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Chacina corinthians pavilhão nove
Oito pessoas morrem depois de serem baleadas na sede da Pavilhão 9, na Ponte dos Remédios, próxima à Marginal Tietê (Foto: Futura Press/Folhapress)

Uma chacina deixou oito homens mortos na quadra do Pavilhão Nove, torcida organizada do Corinthians, que fica embaixo da Ponte dos Remédios, próxima à Marginal Tietê, na Zona Oeste, na noite deste sábado (18). Durante o ataque, ocorria uma confraternização no local. Segundo a polícia, dois homens armados invadiram o barracão por volta das 23h.

+ Polícia reabre investigações da morte de Marcos Matsunaga

De acordo com testemunhas, os assassinos mandaram as pessoas deitarem chão e atiraram contra a cabeça de sete delas, que morreram no local. A oitava vítima foi baleada dentro da quadra da torcida, mas conseguiu fugir em direção à rua. Ela caiu em um posto de combustível e foi levada ao Hospital das Clínicas, onde morreu. Foram encontradas cápsulas de pistola 9 milímetros próximo aos corpos.

+ Porsche bate em cinco carros e atropela motociclista na Mooca

Após o ataque, parentes e amigos foram ao local para buscar informações sobre as vítimas. A PM reforçou o efetivo na região. As mortes serão investigadas pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

No ano passado, o Corinthians perdeu um mando de campo e foi multado em 50 000 reais em razão do confronto entre as torcidas organizadas do clube Pavilhão Nove e a Camisa 12 durante o clássico contra o São Paulo Futebol Clube.

+ Abertura da primeira loja da Apple na capital gera comoção em shopping

O Corinthians enfrenta o Palmeiras neste domingo (19), às 16h, pela semifinal do Campeonato Paulista, no Itaquerão. A Polícia Militar montou um esquema especial de segurança para receber os torcedores visitantes. A medida, porém, não tem relação com o crime e é comum em jogos clássicos.

+ Confira o que acontece de mais importante na cidade

Fonte: VEJA SÃO PAULO