Mistérios da Cidade

Vandalismo: monumento é revitalizado e grelhas de sarjeta são trocadas

Obra que relembra morte de armênios será reinaugurada em novo local; roubo de grelhas gera prejuízo de 1 milhão de reais

Por: Henrique Skujis - Atualizado em

Monumento é revitalizado e grelhas de sarjeta começam a ser trocadas
Monumento aos armênios será reinaugurado no domingo (25); grelhas de sarjeta passaram a ser trocadas por peças de plástico (Foto: Fernando Moraes)

Novo monumento velho

Da obra original, concebida pelo escultor José Jerez Recalde e inaugurada em 1966, sobrou apenas a parede de granito preto. As estátuas e os adornos feitos de bronze haviam sido roubados. A base de pedra estava completamente pichada. Ao meio-dia deste domingo (25), porém, o monumento que relembra a morte de 1,5 milhão de armênios pelos turcos em 1915, durante a I Guerra, será reinaugurado como parte dos eventos que marcam os 95 anos do massacre. A obra foi transferida para o cruzamento das avenidas Santos Dumont e Tiradentes, perto da Estação Armênia do Metrô.

Sarjeta reciclada

Todos os anos, cerca de 4000 grelhas de sarjeta são surrupiadas na capital. Feitas de aço, têm bom valor nos ferros-velhos, onde são derretidas e revendidas. O prejuízo anual com a troca dessas grades, que mantêm o lixo longe das galerias pluviais, chega a 1 milhão de reais. A prefeitura começou em agosto a substituir as grelhas de aço por modelos de plástico reciclado. Elas saem pelo mesmo preço (250 reais) e suportam o mesmo peso (25 toneladas). “Mas não atraem os bandidos”, diz Domingos Oliveira, da Secretaria de Coordenação de Subprefeituras. “A meta é instalar 300 até o fim do ano.”

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO