Cinema

“Missão Madrinha de Casamento” faz rir ao abordar picuinhas femininas

Longa é protagonizado por Kristen Wiig, comediante do programa "Saturday Night Live"

Por: Miguel Barbieri Jr. - Atualizado em

Minha Madrinha de Casamento
Duras na queda: Annie e Helen, numa das cenas mais divertidas (Foto: Divulgação)

Tanto como diretor quanto como produtor, Judd Apatow virou uma referência de filmes para meninões, seja em “O Virgem de 40 Anos”, “Ligeiramente Grávidos” ou “Quase Irmãos”. Uma das surpresas da comédia Missão Madrinha de Casamento é que agora seu foco também mira o público feminino. Isso, porém, não exclui os homens deste novo longa-metragem produzido por Apatow e dirigido por Paul Feig. Diversão agradável e por vezes hilariante, a fita ainda apresenta o talento de Kristen Wiig, comediante do programa “Saturday Night Live”, aqui em seu primeiro papel principal no cinema.

+ Os melhores filmes em cartaz na cidade

+ Filme sobre amor entre lésbica e travesti estreia nos cinemas

+ Assista ao trailer da animação francesa "A Monster in Paris"

O enredo mostra os dilemas de uma quase quarentona chamada Annie e interpretada por Kristen. Abandonada pelo namorado, a personagem fechou sua falida loja de bolos e agora trabalha, a contragosto, como vendedora de uma joalheria. Sem muita grana, precisou alugar um quarto no apartamento de um casal de irmãos intragáveis. Sexo para ela não chega a ser um problema — mas só pode desfrutá-lo quando o amante bonitão (Jon Hamm) sente vontade. Para piorar, Annie deve encarar uma dura tarefa. Lilian (Maya Rudolph), sua melhor amiga, vai se casar e a escalou para ser uma das madrinhas. O estorvo, contudo, se chama Helen (Rose Byrne), a mulher do chefe de Lilian. Rica, bonita e finérrima, Helen fará de tudo para superar a pobretona Annie perante a noiva. Uma competição entre mulheres, enfim.

Embora um tantinho esticado e, equivocadamente, comparado a uma versão de saias de “Se Beber, Não Case!”, o filme tem lá seus (raros) momentos de humor escatológico. Mas sobrevive mesmo de espirituosas passagens de fácil identificação — a sequência do “duelo” das inimigas disputando um microfone chega a ser um dos pontos altos do roteiro, coescrito por sua carismática protagonista.

Fonte: VEJA SÃO PAULO