Perfil

Médico que também faz casamentos

Com uma cerimônia bem cabeça, o homeopata Adair Zan uniu quinze casais em três anos

Por: Fernando Cassaro - Atualizado em

Adair Zan não é padre, pastor ou coisa que o valha. Mas isso não impediu que ele realizasse quinze casamentos nos últimos três anos (nenhum com validade legal). O médico homeopata criou uma cerimônia diferente das convencionais e vem fazendo a cabeça – e os corações – de alguns noivos paulistanos. Com um pé na filosofia e outro na meditação, Zan inspira-se nos quatro elementos da natureza (água, terra, fogo e ar). Segundo ele, esses elementos são universais e têm estreita relação com o amor. Durante a celebração, o médico pede ao público que sorria e mentalize coisas boas, "para transferir energia ao casal". Ao mesmo tempo, fala sobre união, companheirismo e prosperidade.

As palavras ditas pelo médico são escolhidas após algumas conversas com os pombinhos. "Não tem nada de ecumênico", explica. "Tudo é feito com a energia dos presentes, independentemente de religião ou crença." Os noivos são instados a interagir com os tais quatro elementos da natureza. Colocam as mãos em potes com terra e água, além de próximo a velas – Zan considera que eles estão em contato com o ar o tempo todo, por meio da respiração. O médico cobra cerca de 2 500 reais por sua presença. No último sábado (11), uniu os também médicos Bibiana e Bruno Misumi em um bufê no Morumbi. O casal, que é kardecista, não queria a celebração em uma igreja. "Conversamos com o doutor Zan por dez meses", conta Bibiana. "Foram quatro encontros e inúmeros bate-papos por e-mail e telefone até acertarmos todos os detalhes."

Zan, 53 anos, realizou seu primeiro matrimônio em 1995. Convidado para uma festa de casamento na cidade de Ribeirão Pires, foi informado pelos noivos de que teria de dizer algumas palavras. Mas o homeopata só resolveu levar essa vocação a sério depois de uma viagem a Fernando de Noronha, há três anos. "Estava em busca de reflexão e pretendia mudar alguma coisa na minha vida", lembra. Lá mesmo foi chamado a fazer um casamento. "Voltei para São Paulo e fui logo convidado a mais dois. Desde então, não parei mais." Para os próximos meses, Zan tem agendadas mais cinco cerimônias. "Nenhum casal que eu uni se separou", garante.

Fonte: VEJA SÃO PAULO