Luto

MC Gui faz sua primeira tatuagem em homenagem ao irmão

Imagem feita no braço do funkeiro mistura uma das letras favoritas de Gustavo e um símbolo do infinito

Por: Redação VEJA SÃO PAULO

MC Gui Tatuagem
MC Gui faz sua primeira tatuagem em homenagem ao irmão Gustavo que faleceu recentemente (Foto: Reprodução / Facebook)

Como forma de homenagear o irmão Gustavo Castanheira, de 17 anos, que faleceu no último dia 21, MC Gui fez sua primeira tatuagem. A frase estampada na parte de dentro de seu antebraço diz: "Gustavo, sonhar nunca desistir, ter fé, pois fácil não e é nem vai ser", seguida de um símbolo, que representa o infinito, e uma nota musical.

+ Confira o vídeo da música Ostentar Esperança, de MC Gui

A letra é da música Ostentar Esperança, que ele apresentou com exclusividade há pouco menos de três semanas para VEJASÃOPAULO.COM. Essas era uma das composições que seu irmão Gustavo mais gostava. Segundo seu pai, Rogério da Silva Alves, MC Gui esteve em um estúdio de tatuagem de São Paulo na última quarta (23) com autorização dele e da mãe do funkeiro.

MC Gui Tatuagem
Primeira tatuagem de MC Gui com a letra de uma das músicas preferidas do irmão Gustavo (Foto: Reprodução / Facebook)

Gustavo Castanheira, morreu na madrugada da segunda-feira (21) em São Paulo, após sentir dores no peito durante um churrasco organizado pela família. A assessoria do cantor informou que Gustavo chegou ao Hospital Municipal do Jardim Iva, Zona Leste da capital, sem vida e teria sido vítima de uma parada cardíaca. O corpo foi levado ao IML para a realização de autópsia.

O enterro do irmão do MC Gui ocorreu no Cemitério da Vila Alpina, na Zona Leste da cidade, na manhã desta terça-feira (22). Muito emocionados, família e amigos se despediram de Gustavo por volta das 9h. Milhares de fãs do cantor lotaram o endereço.

Segundo Rogério da Silva Alves, o filho  consumiu muitas latas de energético antes de passar mal. De acordo com a mãe do jovem, Cláudia Alves, ele também havia sofrido de mal estar durante um show do irmão, dois dias antes de sua morte.

Fonte: VEJA SÃO PAULO