Música

Marcos & Belutti é a principal dupla sertaneja da capital

Os parceiros são donos do hit 'Aquele 1%', cobram cachê de 130 000 reais e fazem cerca de quinze shows por mês

Por: Tatiana Izquierdo

marcos_belutti2
Marcos & Belutti: dupla é conhecida pela irreverência no palco (Foto: Rogerio Albuquerque)

No universo da música sertaneja, as principais estrelas do circuito costumam vir de longe das principais capitais brasileiras, como as duplas Chitãozinho & Xororó (do interior do Paraná) e Zezé di Camargo & Luciano (do município de Pirenópolis, em Goiás). Até expoentes novos seguem esse padrão. Luan Santana, por exemplo, é de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

Nesse cenário, o sucesso de Marcos & Belutti é um ponto fora da curva (o primeiro nasceu na Zona Oeste da capital e o segundo veio do ABC. Ou seja, são legítimos caipiras urbanos). Os dois vêm chamando atenção também pelo ótimo desempenho no competitivo mercado das violas. Em nove anos de carreira, venderam 300 000 cópias de seis álbuns (incluindo quatro DVDs). No início de maio, fizeram um show com 3 800 ingressos esgotados no Citibank Hall.

+ Wesley Safadão: o furacão do forronejo

No próximo dia 5, vão se apresentar como atração principal da tradicional festa junina da Portuguesa, com 10 000 entradas já vendidas (a preços a partir de 70 reais). Seus carros-chefes são os hits Domingo de Manhã e Aquele 1% — essa última contou com a participação de Wesley Safadão e ficou no topo das paradas por nove meses em 2015. “A canção tem melodia e refrão ótimos, o público ainda pede sempre”, diz o diretor musical Paulinho Patto, da Nativa FM, líder de audiência na capital.

Bruno Belutti foi criado na Barra Funda e, aos 9 anos, estrelava comerciais de TV. Na adolescência, integrou a boy band Comando, armada por Gugu Liberato. Mesmo com padrinho famoso, o negócio não estourou. “Meu sonho era entrar no Trem da Alegria”, diz, sobre o principal grupo infantil dos anos 90.

Marcos, cujo nome real é Leonardo Prado de Souza, nasceu em Santo André, mas passou a infância na Vila Prudente, na Zona Leste, onde sua relação com a música era ligada ao coral de uma igreja. Chegou a trabalhar na loja de artigos infantis da família antes de começar a tocar em bares, aos 15 anos. “Em 2007, o Belutti gravou uma música minha e nos aproximamos”, lembra.

A fama recente trouxe muitos dividendos. Hoje, Belutti mora em Alphaville e Marcos está construindo uma luxuosa casa em São Caetano. Quando estão na capital, costumam frequentar locais como o restaurante Paris 6 e o Shopping JK Iguatemi. Mas os períodos de descanso estão cada vez mais raros. Em 2016, a dupla vem realizando cerca de quinze shows por mês a um cachê médio de 130 000 reais. No ano passado, estima-se que eles faturaram perto de 14 milhões de reais com os espetáculos, uma das melhores marcas entre as duplas do gênero no país.

marcos_belutti
Marcos e Belutti: 130 000 de cachê por show (Foto: Rogerio Albuquerque)

SÓ HITS - os principais números dos artistas:

300 000 álbuns vendidos;

180 shows por ano;

557 milhões de visualizações no YouTube

1,2 milhão de seguidores no Instagram

5 174 000 de curtidas no Facebook

Fonte: VEJA SÃO PAULO