Cinema

"Machete" é uma divertida sátira feita pelo diretor Robert Rodriguez

Como astro do filme está o ator Danny Trejo, protagonista do longa que aborda com tom cômico a corrupção política e a imigração ilegal

Por: Miguel Barbieri Jr. - Atualizado em

Machete Filme 2195
Danny Trejo: nem mesmo a péssima estampa e a cara de mau o impedem de conquistar a mulherada (Foto: Divulgação)

O cara da foto acima não morde, embora seu horroroso visual faça tremer nas bases. Astro de Machete, Danny Trejo pode levantar as mãos para o céu. Ator desde a década de 80, encontrou, aos 66 anos e sob a direção de Robert Rodriguez, seu melhor papel no cinema. Mesmo feio de doer, consegue levar para a cama as três gatas do filme (Jessica Alba, Michelle Rodriguez e Lindsay Lohan), uma das melhores piadas da comédia de ação.

Rodriguez teve a ideia de criar Machete, seu herói latino, durante a realização de “A Balada do Pistoleiro”, em 1995. O personagem ficou famosinho ao estrelar o falso trailer que acompanhava o trash “Planeta Terror” (2007). Agora, o cineasta atendeu aos pedidos dos fãs e fez de Machete o protagonista de seu próprio longa-metragem. Na trama, esse ex-policial federal mexicano foge para os Estados Unidos depois de tentar derrotar um perigoso narcotraficante (Steven Seagal). No Texas, dribla a fiscalização de uma agente da imigração (Jessica Alba) e recebe uma tentadora proposta: matar um senador ultraconservador (Robert De Niro) em troca de uma bolada.

Por meio da sátira rasgada, o roteiro toca em temas sisudos, entre eles a corrupção política e a imigração ilegal. Mas é quando troca a seriedade pela paródia que a fita sobressai. Há passagens muito divertidas. Uma delas é a fuga de Machete de um hospital, usando no lugar de cordas as tripas de um inimigo (!). Precisa-se, contudo, embarcar no espírito da coisa. Feita nos moldes de uma produção B, a fita resgata a ação dos filmes dos anos 80, agora revestida por uma violência cartunesca e sob um olhar malandro e irônico.

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO