Cinema

"Isto Não É um Filme": Jafar Panahi cria arma contra o totalitarismo

Feito clandestinamente na casa do diretor iraniano, documentário chegou a Cannes em pen drive

Por: Miguel Barbieri Jr.

Isto Não É um Filme
O realizador em prisão domiciliar em 'Isto Não É um Filme': símbolo da resistência (Foto: Divulgação)

No início deste mês, o diretor iraniano Mohsen Makhmalbaf (“A Caminho de Kandahar”) participou do encerramento da Mostra Internacional de Cinema para receber um prêmio e pedir ajuda. Queria que os cineastas presentes, entre eles Walter Salles e Hector Babenco, endossassem um abaixo-assinado exigindo liberdade aos intelectuais presos em seu país — o documento seria, então, encaminhado à presidente Dilma Rousseff.

+ Confira as estreias da semana nos cinemas

Jafar Panahi, de 51 anos, é um dos diretores que peitam, na medida do possível, o regime autoritário do presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad. Condenado à prisão por seis anos e impedido de filmar por duas décadas, Panahi revelou-se um símbolo da resistência ao realizar, entre quatro paredes, o documentário “Isto Não É um Filme”, cuja pré-estreia ocorre neste sábado (26) no Reserva Cultural. O lançamento está previsto para sexta (2).

Festejado ou premiado nos principais festivais internacionais, o realizador de “O Balão Branco” (1995), “O Círculo” (2000) e “Ouro Carmim” (2003) conseguiu mandar, clandestinamente e via pen drive, uma cópia de seu novo trabalho a Cannes, em maio. Mojtaba Mirtahmasb, codiretor da fita, serviu de pombo-correio. Caseiro e simples, porém profundo em sua crítica, o registro foi feito no apartamento de Panahi, em Teerã, durante sua prisão domiciliar. Uma câmera de vídeo digital flagra-o tomando café da manhã, conversando com a advogada, alimentando sua iguana de estimação, revendo suas obras.

+ Cinemateca exibe os melhores trabalhos de Tomu Uchida

Surge, então, uma ideia: fazer um “não filme”. Mirtahmasb aparece para rodar a produção. “Não posso filmar, escrever roteiros ou dar entrevista, mas ninguém me impediu de atuar ou de ler roteiros”, diz Panahi. Com uma fita crepe, ele delimita os espaços do cenário num tapete e narra sua próxima história: a da moça prestes a entrar na faculdade que fica trancafiada em casa pelos pais fundamentalistas.

 

+ Os melhores filmes em cartaz

Próximo ao desfecho, um rapaz aparece para pegar o lixo e, numa conversa de elevador, esse estudante de arte revela seus dissabores com o regime de Ahmadinejad. O personagem viria do acaso ou de uma encenação? Pouco importa. Nas mãos de Panahi, seu retrato casual virou uma poderosa arma contra a censura e o totalitarismo.

Fonte: VEJA SÃO PAULO