Criminalidade

Irmã de Champinha é morta com golpes de machado em Embu-Guaçu

Rapaz de 20 anos é suspeito de assassinar três pessoas e ferir um adolescente na área rural da cidade nesta segunda (7); ele nega participação no crime

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Polícia Itu
Antes de ser preso, rapaz foi agredido por moradores da região (Foto: Reprodução TV)

Três pessoas foram mortas e um adolescente ficou ferido a golpes de machado no bairro Santa Rita,na área rural de Embu-Guaçu, na Grande São Paulo, na madrugada desta segunda-feira (6). Entre as vítimas está Juveni Aparecida Alves Cardoso, de 32 anos, irmã de Roberto Aparecido Alves Cardoso, o “Champinha”, condenado por tortura e assassinato em 2003 do casal Liana Friedenbach e Felipe Caffé.

+ Champinha continuará internado em unidade de saúde

Agredido por moradores da região, Rafael de Morais Pereira, de 20 anos, foi detido. Além de Juveni, ele é suspeito de ter matado o irmão de criação, Adelino Morais de Oliveira, de 35 anos, e a cunhada, Tatiana dos Santos Oliveira, de 32 anos. Preso na delegacia da cidade, ele nega participação no crime.

+ Jovem é estuprada na Estação República do Metrô

Testemunhas afirmaram para a Polícia Civil que Rafael é usuário de drogas e, até mesmo, já foi flagrado consumindo gasolina.

O crime aconteceu por volta das 3h30. De acordo com a Polícia Civil, Rafael matou Adelino e Tatiana com golpes de machado, ferindo também um adolescente de 16 anos. Após o crime, ele teria ateado fogo na residência.

+ Mano Brown, do grupo Racionais MC´s, é detido em São Paulo

Na rua, o suspeito encontrou a irmã de Champinha, que, segundo informações iniciais, seguia para um hospital, onde realizaria exames. Após atacar Juveni, o rapaz entrou no carro do irmão e fugiu, de acordo com testemunhas.

+ Confira as principais notícias da cidade

Ao cair na ribanceira com o veículo, Rafael foi agredido por populares e encaminhado para o pronto-socorro da cidade, onde foi preso. A polícia também encontrou o carro da vítima e o machado usado no caso.

Fonte: VEJA SÃO PAULO