Política

PT é partido com maior taxa de rejeição no país, diz Ibope

Em um distante segundo lugar na pesquisa, aparecem em empate técnico PSDB e PMDB

Por: Estadão Conteúdo - Atualizado em

Dilma Rousseff
No segundo governo Dilma, a parcela com opinião contrária ao PT cresceu para 70%, enquanto os favoráveis se reduziram a apenas 23% (Foto: Gustavo Serebrenick/Brazil Photo Press/Folhapress)

Ocupante da Presidência da República desde o início de 2003, o PT é hoje o partido com maior rejeição no Brasil, segundo pesquisa Ibope feita na segunda quinzena de outubro. Do total de entrevistados, 38% apontaram a legenda de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff como aquela de que menos gostam. No outro extremo, 12% indicaram o PT como partido preferido - ou seja, para cada petista, há cerca de três antipetistas no país.

No ranking da rejeição, o PT não apenas está em primeiro lugar, mas é o líder disparado. Em distante segundo lugar, com 30 pontos porcentuais a menos, está o PSDB (8% de rejeição). O PMDB, com 6%, aparece em empate técnico, também na segunda colocação. É a primeira vez que o Ibope mede a rejeição às legendas com uma pergunta específica ("de qual desses partidos você gosta menos?"). Não é possível, portanto, saber se a onda antipetista está em seu ápice. Mas há indícios de que essa tendência no eleitorado se fortaleceu desde o ano passado.

+ Preço do aluguel de imóveis diminui em São Paulo

Em outubro de 2014, pouco antes da eleição presidencial vencida por Dilma, o PT tinha uma imagem "favorável" ou "muito favorável" para 41% dos eleitores, também segundo o Ibope. Outros 46% viam o partido de forma "desfavorável" ou "muito desfavorável". De lá para cá, a parcela com opinião contrária ao PT cresceu para 70%, enquanto os favoráveis se reduziram a apenas 23%.

Outro indicador do desgaste dos petistas é a evolução da taxa de preferência pela sigla. Em abril de 2013, pouco antes da onda de manifestações de protesto pelo país, o PT era o partido preferido de 36% da população - o melhor resultado para a legenda em uma década. Mas os protestos de rua provocaram mudanças significativas na opinião pública: em julho de 2013, a taxa de preferência pelo PT já havia caído para apenas 22%.

Desde então, apesar de ter vencido a eleição presidencial de 2014, o partido foi associado a novos episódios de desgaste, entre eles o agravamento da crise econômica e o escândalo de corrupção na Petrobras, investigado pela Operação Lava Jato. O PSDB, partido que disputou com Lula e Dilma os segundos turnos das quatro últimas quatro eleições presidenciais, não se beneficiou diretamente da queda de popularidade de seu principal adversário.

+ Painéis gigantes em laterais de prédios multiplicam-se pela capital

Os tucanos também têm hoje uma imagem pior do que de outubro de 2014. Na época, segundo o Ibope, a soma de opiniões "desfavoráveis" e "muito desfavoráveis" sobre a sigla chegava a 45%. Atualmente, atinge 50%. Por outro lado, no ranking da preferência partidária, é a primeira vez que o PSDB empata tecnicamente com o PT no primeiro lugar - mas o fenômeno se explica mais pela queda dos petistas que pela ascensão dos tucanos. Neste ranking, o PT aparece com 12% da preferência, seguido por PSDB e PMDB - cada um com 10%. Tecnicamente, os três partidos estão empatados.

Geografia

A rejeição ao PT é maior na região Sul, onde 46% dos entrevistados apontam a legenda como aquela de que menos gostam - taxa oito pontos porcentuais superior à média nacional. Também se concentra nos setores mais escolarizados e de renda mais alta.

+ O que acontece de mais importante na cidade

Entre os eleitores com curso superior, a taxa de rejeição ao partido chega a 50%, mas cai para 28% entre os que estudaram até a quarta série. Na divisão do eleitorado por renda, o PT é o mais rejeitado por 46% dos que ganham mais de cinco salários mínimos, e por 28% dos que recebem até um salário mínimo. O partido também sofre maior rejeição entre os mais jovens (43% na faixa de 16 a 24 anos) que entre os mais velhos (33% entre aqueles com 55 anos ou mais).

O Ibope ouviu 2 002 pessoas em 140 municípios do país entre os dias 17 e 21 de outubro. A margem de erro estimada é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.

Fonte: Estadão Conteúdo