Crime

Homem mata colega de trabalho na Vila Madalena

Crime aconteceu em um lava-rápido na Rua Natingui na manhã desta sexta (7); homem voltou ao local armado após ameaçar os funcionários

Por: Pedro Henrique Tavares - Atualizado em

Vila Madalena
Morte após discussão de trabalho: crime aconteceu na Vila Madalena (Foto: Pedro Henrique Tavares)

Uma discussão de trabalho por causa de um tapete de um carro colocado de forma errada terminou com a morte de uma pessoa em um lava-rápido na Rua Natingui, na Vila Madalena, por volta das 8h30 desta sexta (7). Após atirar contra o colega de profissão, o funcionário tentou fugir em uma moto, mas foi surpreendido, baleado e preso por policiais que estavam próximos ao local.

+ Ex-skinhead acusado de esquartejar a tia era considerado “amigável”

No estabelecimento, trabalham quatro funcionários, além do proprietário. O homem acusado de atirar nos colegas trabalhava no local havia três dias. A polícia informou que, após a discussão por causa de um tapete de um veículo, o acusado ameaçou os colegas: “Eu vou matar todos vocês”. Nesta manhã, ele voltou ao local armado para cumprir a promessa.

Assim que entrou no lava-rápido, ele atirou contra os colegas. Um deles foi atingido na cabeça. Socorrido ao Hospital das Clínicas, não resistiu aos ferimentos e morreu.

Vila Madalena
Homem tentou fugir em moto após matar colega de trabalho: ele foi baleado e preso (Foto: Pedro Henrique Tavares)

Policiais militares que estavam em uma padaria escutaram os disparos. Na rua, eles encontraram o homem armado que seguia para uma moto. Ao ver os oficiais, ele se escondeu atrás de um poste e apontou o revólver. Ao ser baleado no ombro, o rapaz soltou a arma e foi encaminhado para o Hospital das Clínicas, antes de ser preso.

+ USP contará com Conselho de Segurança

No lava-rápido, a delegada Carina Satanieli não revelou quis revelar detalhes da discussão. Confirmou apenas que a discussão aconteceu no dia anterior. Já o proprietário do local preferiu não se manifestar. Ele estava no escritório quando o crime aconteceu.

+ Confira as principais notícias da cidade

O chaveiro Lourenço Milton Campos Leite trabalha na rua há trinta anos. Segundo ele, o rapaz discutiu com os colegas novamente antes de começar a disparar. “Nunca vi algo semelhante por aqui. Eu me escondi atrás do balcão quando escutei os disparos.”

Fonte: VEJA SÃO PAULO