Solidariedade

Helena Lunardelli: ela faz brotar a esperança

A florista presenteia com arranjos idosos em casas de repouso

Por: Maria Paola de Salvo - Atualizado em

Helena Lunardelli - 2301
Helena Lunardelli: "Sempre fico tocada com as cartas de agradecimento que recebo" (Foto: Antonio Milena)

Na semana passada, assim que avistou a chegada dos primeiros cravos e rosas ao Lar Santana, no Alto de Pinheiros, a moradora Ruth de Alencar, de 85 anos, abriu um sorriso. “O dia fica sempre mais festivo”, emocionou-se. Uma vez por mês, a Flor Gentil presenteia senhoras como ela em doze casas de repouso na cidade. O projeto nasceu em setembro de 2010 por iniciativa da florista Helena Lunardelli, de 39 anos. Aos sábados e domingos, integrantes da ONG aguardam o fim de casamentos e formaturas para recolher sobras da decoração ainda de madrugada. O material é enviado ao galpão onde funciona a sede da entidade, no Alto de Pinheiros. Durante a semana, 825 voluntárias se dedicam a montar os arranjos e entregá-los aos idosos. Na preparação, elas procuram as melhores plantas, retiram pétalas machucadas e usam a criatividade para fazer dessas sobras uma nova peça. Desde o início do trabalho, quase 30.000 buquês e vasinhos foram distribuídos.

O negócio surgiu do incômodo que Helena costumava sentir ao ver centenas de plantas acabarem no lixo a cada fim de festa. “Pensei numa maneira de aproveitar tudo aquilo e, ao mesmo tempo, alegrar um pouco a vida das pessoas”, explica. “Alguns dizem que esses presentes são um incentivo para continuarem vivos, já que muitos não recebem mais a visita da família.” Outra vertente da ONG é o Fundo Gentil. A ideia consiste em reciclar as flores para enfeitar festas e eventos de pessoas carentes ou de instituições. “Sempre fico tocada com as cartas de agradecimento que recebo”, diz Helena, que passou os últimos dois anos bancando a entidade do próprio bolso. Em outubro, o Shopping Iguatemi doou a renda de um dia inteiro de estacionamento. O valor ajuda a cobrir as despesas de 38.000 reais mensais, mas a fundadora da Flor Gentil está em busca de um patrocínio. “Meu sonho agora é sair pelo Brasil capacitando jovens para produzir arranjos com a marca da nossa ONG para a Copa e a Olimpíada”, conta ela.

+ Os dez paulistanos que fazem a diferença

■ Flor Gentil

Rua Raul Adalberto de Campos, 101, Alto de Pinheiros, telefone 3031-5861 e 98101-7333, www.florgentil.com.br

Fonte: VEJA SÃO PAULO