Abastecimento

Guarapiranga registra nova alta e atinge 76,1%

Manancial hoje é responsável pelo abastecimento de 5,8 milhões de pessoas na Grande São Paulo

Por: Estadão Conteúdo

represa de guarapiranga
Guarapiranga:  alta de 1,1 ponto porcentual (Foto: Beatriz do Valle/Sabesp)

Hoje o manancial responsável por abastecer o maior número de pessoas na região metropolitana de São Paulo, o Guarapiranga, registrou nova alta, de 1,1 ponto porcentual, em sua capacidade. Segundo boletim da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), de ontem para hoje, o nível do Guarapiranga passou de 75% para 76,1%. Em 24 horas, o manancial registrou pluviometria de 15 milímetros.

+ O que acontece de mais importante na cidade

Com a crise do Cantareira, mais água passou a ser retirada do Guarapiranga. Ele hoje é responsável pelo abastecimento de 5,8 milhões de pessoas na Grande São Paulo. Nesta sexta-feira, o Guarapiranga tinha registrado alta de 0,3 ponto na capacidade. Antes disso, o sistema tinha ficado 51 dias seguidos sem registrar alta.

Cantareira

O Cantareira ficou estável segundo dois dos índices que medem sua capacidade e caiu 0,1 ponto segundo um terceiro índice. O manancial, que atualmente atende a 5,2 milhões de pessoas, manteve 19,7% no cálculo que considera o uso dos dois volumes mortos em relação ao volume útil do sistema. Pelo índice que considera o mesmo numerador, mas inclui no denominador o volume total (considerado os volumes mortos), a capacidade ficou estável em 15,3%.

+ Chuva desta sexta já supera todo o volume registrado em julho de 2014

Já pelo índice que a Sabesp passou a divulgar após determinação judicial, que traz a capacidade negativa do manancial, o Cantareira passou de -9,5% para -9,6% de capacidade. Nas últimas 24 horas, o manancial registrou chuvas de 5,7 milímetros.

Outros mananciais

Todos os demais mananciais registraram alta segundo o boletim deste sábado. O Alto Cotia passou de 63,7% para 65%. O Rio Grande foi de 91,9% para 93%. O Rio Claro subiu de 72% para 72,4% e o Alto Tietê foi de 20,5% para 20,6%.

Fonte: VEJA SÃO PAULO