Trabalho

Depois daquela briga

Eridoni Gomes da Silva é ajudante de masseiro do Walter Mancini Ristorante e sonha em construir casa para a avó

Por: Daniel Bergamasco [colaboraram Arnaldo Lorençato, Mariana Gabellini e Taciana Azevedo] - Atualizado em

Garçom - Silva - 2232
Silva, no Walter Mancini Ristorante: sonho de comprar uma casa para a avó (Foto: Mario Rodrigues)

"Meu sonho é construir uma casa para minha avó, de 83 anos. Foi para isso que vim para São Paulo trabalhar, há um ano. Ela cuidou muito de mim em 2008, quando sofri um acidente de moto, passei por uma traqueostomia e fiquei com a voz desse jeito, fina e mansinha. Como ela já tem o terreno, acho que com uns 15.000 reais consigo comprar o material de construção. Para economizar, não saio e passo a noite em casa vendo novela. Há uns três meses, quase fui embora para o Ceará, depois de brigar no restaurante. Eu era ajudante de garçom, um colega caçoou da minha voz, eu resmunguei e tomei um chute. Com a mão direita, dei um soco nele, enquanto com a esquerda segurava o prato de lula à dorée. Fiquei com vergonha e pedi demissão ao Walter Mancini, meu patrão, que soube do meu sonho e me deu uma oportunidade melhor ainda: aprender a montar as massas servidas nas casas dele. Quando eu voltar, além de um lar, terei também uma profissão."

Eridoni Gomes da Silva, 22 anos, natural de Juazeiro do Norte (CE), é ajudante de masseiro do Walter Mancini Ristorante, no centro + Pesquisa: 87% dos garçons que atuam em São Paulo vêm de fora da cidade

+ Galeria de fotos: Pedro II, a capital brasileira dos garçons

+ A família veio em peso

+ Um golpe no alcoolismo

+ O garçom que se tornou presidente

+ O garçom que virou patrão de 200 pessoas

+ Conheça a capital brasileira dos garçons

Fonte: VEJA SÃO PAULO