publicidade

Polêmica

Imóvel invadido na Vila Madalena vira galeria

Casa da Rua Agissê estava vazia e pertence a aposentado, que vai recorrer à Justiça para expulsar ocupantes

12.mai.2011 | Atualizada em 13.mai.2011 por Anna Carolina Oliveira

Fazia tempo que o imóvel localizado no número 280 da Rua Agissê, na Vila Madalena, estava desocupado. Moradores de prédios vizinhos consideraram estranho, portanto, que da noite para o dia brotasse no lugar uma galeria de arte, batizada de Fat Cap, inaugurada no fim de março. Estavam certos. O aparente dono do pedaço, o artista plástico Rafael Vaz, de 28 anos, não é dono do pedaço coisíssima nenhuma: ele invadiu o imóvel, que pertence ao aposentado Rodolfo Ingo, de 70 anos. “Lutei muito para comprar aquela casa. Quero de volta”, afirma o proprietário.

+ Vila Madalena, o reduto baladeiro dos paulistanos

+ Vila Madalena: de ateliês e galerias à bares e restaurantes

O alerta veio do zelador de um edifício próximo, Geraldo Teodósio dos Santos, que telefonou para o proprietário após notar a movimentação. Ingo seguiu para o local e, de lá, foi parar numa delegacia ao lado de Vaz. “Fui agredido”, acusa o ocupante. A versão contada pelo dono é outra. “Encontrei o rapaz e seu pai, entre outras pessoas. Ele me disse que todo imóvel deveria ter uma destinação social e que, se a casa estava abandonada, poderia ficar lá”, afirma.

 

Propriedade esquecida no tempo: aos fundos, mais uma casa que faz parte do terreno
Propriedade esquecida no tempo: aos fundos, mais uma casa que faz parte do terreno
(Foto: Mario Rodrigues)

Vaz conta que a ideia de ocupar o imóvel surgiu quando passava pela rua e notou o abandono da casa. Em processo de divórcio, ele planejava abrir uma galeria. “Juntei minhas coisas, limpei o terreno e me mudei”, conta. “Antes, me informei sobre os aspectos legais da ocupação com a Frente de Luta por Moradia (FLM).” A entidade é ligada a movimentos sociais. “Fui informado que, depois de 48 horas estabelecido no local, o cidadão não é obrigado a sair.”

Segundo a advogada Maria Isabel Mantoan de Oliveira, especialista em direito imobiliário, esse prazo não existe. “Mas os invasores se aproveitam do fato de que, em casos assim, não adianta chamar a polícia, pois só é possível tirar alguém à força por ordem judicial.” Também expert em causas ligadas a imóveis, o advogado Marcelo de Biasi Pereira da Silva diz que a lei só garantiria direitos ao invasor na hipótese de posse mansa e pacífica do local por mais de cinco anos. “Seria um caso de usucapião de propriedade urbana", explica. Ele também afirma que o artigo 924 do Código de Processo Civil determina que, ao saber da invasão e reclamar antes do período de um ano e dia, o proprietário pode impetrar a reintegração de posse. “Nesse caso, o invasor é intimado a sair e o processo em relação ao destino do terreno continua, mas com o indivíduo fora do local.”

Como se ainda tivesse algum pingo de razão, Vaz diz estar disposto a negociar com o proprietário na Justiça. “No futuro, poderia até alugar ou comprar esse lugar, se essa for a única saída.” O aposentado prepara-se para solicitar na Justiça a expulsão da galeria. “Tenho planos de reformar o local para o meu filho, mas não tenho dinheiro.”

publicidade

esqueça um livro
X

Avaliação de VEJA SP

Não foi avaliado

Avaliação de VEJA SP

Péssimo

Avaliação de VEJA SP

Fraco

Avaliação de VEJA SP

Regular

Avaliação de VEJA SP

Bom

Avaliação de VEJA SP

Muito bom

Avaliação de VEJA SP

Excelente

Avaliação dos usuários

Ainda não foi avaliado

Avaliação dos usuários

Péssimo

Avaliação dos usuários

Fraco

Avaliação dos usuários

Regular

Avaliação dos usuários

Bom

Avaliação dos usuários

Muito bom

Avaliação dos usuários

Excelente

Avaliação do usuário

Péssimo

Avaliação do usuário

Fraco

Avaliação do usuário

Regular

Avaliação do usuário

Bom

Avaliação do usuário

Muito bom

Avaliação do usuário

Excelente

Péssimo

Fraco

Regular

Bom

Muito bom

Excelente

Comente

Envie por e-mail