Mobilidade

Faixa em "X" é aprovada, mas confunde pedestres

Modelo que permite travessia na diagonal foi instalado no cruzamento entre as ruas Riachuelo e Cristóvão Colombo

Por: Luisa Coelho - Atualizado em

faixa de pedestres diagonal
Faixa em "X" é projeto piloto, inspirado em modelos de Tóquio (Foto: Luisa Coelho)

A primeira faixa em "X" na cidade começou a ser usada nesta segunda-feira (8) e ganhou a aprovação dos pedestres, embora alguns tenham se mostrado confusos com a novidade. Instalada no cruzamento entre as ruas Riachuelo e   Cristóvão Colombo, no centro, a faixa permite economizar tempo na travessia.

VEJA SÃO PAULO esteve no local na manhã de hoje e testou a faixa. A reportagem levou 21 segundos para fazer a travessia em "L", quando os semáforos estavam abertos para o pedestre. Se durante a passagem ainda for preciso esperar um dos sinais ficar verde, o tempo sobe para 1 minuto e 23 segundos. Na diagonal, leva-se apenas 15 segundos.

faixa de pedestres em x
Faixa ajudará no cruzamento das ruas Riachuelo e Cristóvão Colombo, perto do Largo de São Francisco. (Foto: Divulgação/CET)

 + CET reduzirá limite de velocidade nas marginais

+ Papai Noel ciclista enfeita sede da prefeitura

O entregador de água Marcos Felipe comemorou a instalação da faixa. Ele conta que já cruzava as ruas em diagonal antes de o equipamento ser instalado. "Era mais perigoso. Há duas semanas uma mulher foi atropelada quando atravessava o cruzamento na diagonal", afirmou. "Agora ficou mais rápido e seguro." 

faixa de pedestres diagonal
Pedestres experimentam faixa em "X", instalada no centro da cidade (Foto: Luisa Coelho)

Dois homens que passavam pelo local se mostraram confusos diante da faixa azul, mas, assim que o semáforo ficou verde, atravessaram rapidamente, fazendo sinal de "positivo" ao serem questionados sobre aprovação do modelo.

+ Aumento do IPTU será mais salgado em bairros tradicionais

+ Fernando Haddad voltará a dar aulas na USP em 2015

Para quem vai atravessar o cruzamento na diagonal, vale o alerta de que o tempo de luz verde é de apenas quatro segundos e outros dezessete segundos de vermelho piscante. Esse tipo de sinalização tem deixado algumas pessoas com receio. Duas senhoras evitaram a novidade e percorreram o trajeto antigo. 

Já o aposentado Valter Valério, 69, não se incomodou com o vermelho piscante. Ele frequenta a região cotidianamente e aprovou a novidade. "Nem prestei atenção no tempo de luz verde."

Em nota, a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) informa que se trata de um projeto piloto inspirado nos modelos de Tóquio e que será expandido para outros lugares da cidade. A companhia afirma ainda que instalará novas placas educativas e disponibilizará equipes para orientar pedestres e motoristas. Entre as 10h30 e as 11h30, não havia nenhum agente da CET no local. Procurado para esclarecer o tempo restrito de sinal verde, o órgão não se manifestou. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO