Shows

Emidida: o rap que virou pop

Nome de destaque no gênero, rapper estreia noite fixa no Estúdio Emme

Por: Carol Pascoal - Atualizado em

Emicida
Rashid, Emicida e Projota: juntos no palco (Foto: Ênio Cesar)

Leandro Roque de Oliveira, mais conhecido como Emicida, tem muito o que comemorar. Na quarta (17), ele completa 26 anos e, no mesmo dia, estreia um projeto mensal no Estúdio Emme, no qual dividirá o palco com artistas de diferentes gêneros. Nascido no Tucuruvi, bairro da Zona Norte paulistana, o rapper estourou em 2009 pela agilidade com que rimava nas batalhas de improviso, chamadas de freestyle. Nesses encontros, ele conheceu os também rimadores Rashid e Projota. Além de terem participado da música “Ainda Ontem”, faixa do primeiro trabalho de Emicida, os parceiros acompanham o aniversariante na noite inaugural na casa da Zona Oeste. “Vamos mesclar o repertório atual de cada um, mas temos a obrigação de tocar “Ainda Ontem”, senão as pessoas atiram na gente”, diverte-se o anfitrião.

+ Emicida dá dicas de baladas que tocam vinil na cidade

+ Ouça trechos de quatro músicas do rapper

+ Xaveco Virtual: nossa ferramenta para paquerar no Twitter

A excelente fase da carreira de Emicida é outro motivo para celebrar. Em abril, ele se tornou o primeiro rapper brasileiro a se apresentar no festival californiano Coachella — e ainda aproveitou a passagem pelos Estados Unidos para gravar, em Nova York, com os tarimbados produtores americanos K-Salaam e Beatnick. “Usei uma base deles sem autorização e os dois vieram atrás de mim. Pensei que eles iam me mandar para a cadeia, mas queriam fazer uma parceria”, lembra. A experiência resultou no ótimo disco “Doozicabraba e a Revolução Silenciosa”, lançado há menos de um mês. Apesar de ele ser o centro das atenções da festa, outros nomes importantes do rap assumem os toca-discos durante a noitada, entre eles K-Salaam, Nyack e Kl Jay.

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO