On the rock ou samba?

O drinque que combina com o seu som

Sommeliers indicam bebidas para diferentes gostos músicas, de bossa nova a eletrônico

Por: Anna Carolina Oliveira

Drinques
Um drinque para cada som: saiba como combinar música e bebida (Foto: Thinkstock)

Seja em um show, seja em casa com os amigos, escutar um bom som pede também uma boa bebida. Para saber qual drinque combina com alguns ritmos de sucesso, pedimos a ajuda de três sommeliers paulistanos.

+ Aprenda a preparar drinques para estações mais quentes

+ Tendências do verão: comidinhas e bebidas

+ Como harmonizar cerveja com comida de boteco

Abaixo, confira uma lista de estilos musicais e as bebidas mais indicadas para degusta-los. As dicas são de Jô Barros, sommelière do Arola-Vintetres, de Manoel Beato, do Fasano, e de Tiago Locatelli, do Varanda.

 

Quando escutar BOSSA NOVA Beba: espumante nacional

Por quê? “Nada mais prazeroso que um cantinho, um violão e uma boa dose de borbulhas”, afirma Jô Barros.

Uísque
(Foto: Alex Silva)

Quando escutar JAZZ Beba: uísque

Por quê? “Assim como o jazz, os uísques — de preferência os single malt de Speyside ou de Orkney — são elegantes e complexos. Como esse estilo musical, conseguem ser estimulantes e suaves ao mesmo tempo”, conta Tiago Locatelli.

 

Quando escutar MPB Beba: cachaça

Por quê? “Como a MPB se desdobra em vários gêneros, só mesmo a cachaça, com toda sua diversidade de estilos, para acompanhar este som. Como nenhum outro tipo de bebida, ela pode ser envelhecida em inúmeros tipos de madeira, abrangendo o leque musical da MPB”, afirma Manoel Beato.

Vinho branco
(Foto: Thinkstock)

Quando escutar MÚSICA CLÁSSICA Beba: vinho

Por quê? “Só essa bebida consegue se equiparar à música clássica em termos de variedade e complexidade. Tente, por exemplo, Egon Muller Scharzhofberger Auslese enquanto escuta a “9ª Sinfônia”, de Beethoven”, diz Locatelli.

 

Quando escutar MÚSICA ELETRÔNICA Beba: drinques à base de açaí

Por quê? “Para ficar acordado a noite toda na balada, a pessoa precisa de muita energia. Uma boa receita é fazer um drinque com vodca, licor Grand Marnier, um toque de limão siciliano e polpa de açaí batidos com gelo”, afirma Jô.

 

Quando escutar MÚSICA INDIE Beba: vinho rosado

Por quê? “Esse ritmo tem um pouco de rock, um pouco de pop, às vezes é um tanto rústico, outras, uma balada suave. Por isso, o vinho rosado é uma boa opção, pois é um pouco branco e tinto, e desce fácil com certa dose de maciez”, conta Beato.

Cosmopolitan
(Foto: Thinkstock)

Quando escutar POP Beba: cosmopolitan

Por quê? “Só a aparência do drinque já combina com o estilo da música. Pink, elegante, delicado e saboroso, ele deixa um gostinho de quero mais”, afirma Jô.

 

Quando escutar RAP Beba: mojito

Por quê? “Velocidade, agilidade e profusão de palavras. A bebida com rum, gelo e hortelã nos deixa atentos e preparados para os dribles de palavras”, conta Beato.

Quando escutar REGGAE Beba: Ponche e Sangria

Por quê? “As duas bebidas são adocicadas e coloridas, combinando com a suavidade sonora e a musicalidade dançante do reggae”, diz Beato.

Cerveja
(Foto: Thinkstock)

Quando escutar ROCK CLÁSSICO Beba: cerveja

Por quê? “Desde que surgiu, o rock é um estilo acessível e popular como a cerveja. Mas a ideia não é combinar Pink Floyd com uma latinha de uma marca qualquer. Para curtir o álbum ‘Dark Side of The Moon’, por exemplo, uma Ola Bubh 12 é perfeita”, afirma Locatelli.

 

Quando escutar SAMBA Beba: chope

Por quê? “A bebida leve, refrescante e com baixo teor alcoólico combina com o ritmo descontraído”, diz Jô.

Fonte: VEJA SÃO PAULO