Crônica

Como aprender o inglês

Por: Matthew Shirts - Atualizado em

Crônica Matthew Shirts
(Foto: Attílio)

Levei um susto certa vez ao perceber que meu filho caçula, Samuel, então com 7 anos de idade, participava de um bate-papo via internet. Como qualquer pai, fiquei preocupado. O que fazia meu filhinho ali, sozinho, diante dos perigos virtuais do mundo todo?

+ Ivan Angelo: Finado

+ Matthew Shirts: O inconformismo topográfico

Respondia a perguntas em inglês, que mal falava, quase sempre com a palavra “no”, mas de vez em quando enviava também um “yes”. — Está falando com quem, filho? — perguntei. — Com o vovô Garry. — Como é que você achou o vovô na internet!? — Foi ele quem me achou no Facebook, uai. Meu saudoso pai, americano e monoglota, fazia perguntas do tipo: “Você está no quintal?”. Sammy escrevia “no”. — Na sala? — “No”. — Está no seu quarto? — “Yes”.

Tive de tirar o chapéu para o velho. Era uma aula genial de inglês. Quando os dois se encontravam na Califórnia, no entanto, meu pai preferia um idioma próprio — e incoerente —improvisado na hora. Isto se chama “gibberish” em inglês. Ele fizera o mesmo com meus filhos mais velhos, Lucas, hoje com 26, e Maria, com 20. Dizia, por exemplo: “Hama baba gullah cita”. Sammy retrucava de bate-pronto: “Cina mama nano baba”.

Era divertido. Meus filhos todos amavam essa brincadeira. O problema é que meu pai, um estudioso da educação, levava a sério. Continuava a falar “gibberish” ao entrar em restaurantes, com o maître (!), por exemplo, para o deleite incontrolável do Sammy (e desespero nosso), e continuava com o frentista do posto de gasolina, o caixa do supermercado, com qualquer um nos Estados Unidos.

O aprendizado de línguas estrangeiras se tornou uma questão na minha família desde que veio ao mundo meu primeiro filho em São Paulo. Corria o ano de 1984. O lado paterno falava inglês; o materno, português. O assunto ganhou ainda mais destaque, no início do século XXI, com o nascimento do primo chinês, Jared. A reação do Garry, avô de todos, foi de naturalidade na ocasião: “Uma pessoa a cada sete no mundo é chinesa. Faz sentido que meu sétimo neto seja chinês”, pontificou.

+ Leia os blogs de VEJINHA.COM

Sempre me orgulhei do meu português — com algum exagero, reconheço hoje. É um defeito. Húbris, como se diz em grego. Acreditei durante anos que não tinha sotaque nenhum. Quem me conhece pode rir. LOL. É a verdade. Confesso. Comecei a desconfiar da qualidade da própria elocução em português durante uma corrida de táxi, na Avenida Paulista, anos atrás. Assim que abri a boca, o motorista saiu-se com esta: “O senhor não é daqui, né?”. Respondi que não era mesmo e lhe perguntei: “De onde acha que sou?”. Ele pensou, pensou, foi pensando da Rua Augusta até quase a Peixoto Gomide, onde se saiu com: “Tatuí”? A cidade de Tatuí, no interior do estado de São Paulo, é conhecida pelo forte sotaque “caipira”.

De lá para cá, meu sotaque degringolou, como se diz (talvez por isso mesmo). É coisa de quem aprendeu português depois de adulto. Meus filhos, brasileiros todos, me corrigem: “Óleo é o que você coloca no carro, papai. Diga olho”.

Mas o pior mesmo aconteceu na semana passada. Fui ler um livro para Sammy na hora de dormir. Na maior parte das vezes, é a mãe quem faz isso, mas não sempre. E em tese, ao menos, quando eu leio, deveria escolher livros em inglês para ajudá-lo com o aprendizado, que vai indo bem. Mesmo assim é mais difícil para o Sammy. Não é sempre que ele entende todas as palavras contadas na língua do Harry Potter. Nessa noite, ofereci a opção de ouvir um livro em português, para facilitar sua compreensão e sua vida. Disse que era melhor escolher uma obra em inglês mesmo. Quando perguntei “por quê?”, Sammy respondeu, do alto dos seus 8 aninhos de idade: “Porque você lê melhor em inglês”.

Quando é que as crianças ficaram tão espertinhas? Vai ver que é a internet a responsável.

Fonte: VEJA SÃO PAULO