Terraço Paulistano

Club Athletico Paulistano passa por reformas e irrita sócios

Há duas semanas, circula um abaixo-assinado contrário à obra que acaba com um jardim suspenso de cerca de 200 metros quadrados

Por: João Batista Jr. - Atualizado em

Flávia Rudge Ramos_terraço paulistano 2193
A sócia Flávia Rudge Ramos: presença no abaixo-assinado contra a reforma (Foto: Fernando Moraes)

Com o objetivo de ampliar o salão de festas, a reforma da sede social do Club Athletico Paulistano tem despertado a ira de alguns sócios. Há duas semanas, circula por lá um abaixo-assinado contrário à obra que acaba com um jardim suspenso de cerca de 200 metros quadrados. O documento tem 100 assinaturas. “É uma perda para a história arquitetônica da cidade”, diz a sócia e professora de arquitetura Flávia Rudge Ramos. Inaugurado em 1957, o edifício em questão foi projetado pelo mestre modernista Gregori Warchavchik (1896-1972). “Não há razão para construir puxadinhos que confinem as pessoas.” O clube protocolou um projeto de reforma no Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat) em janeiro. A deliberação, no entanto, não foi sancionada. Como o clube se localiza no Jardim América, bairro tombado, qualquer mudança em edificação requer aprovação. O Paulistano informa estar dentro da legalidade.

Fonte: VEJA SÃO PAULO