Crianças

Palhaços se inspiram nas festividades para criar Circo de Natal

A Banda Sinfônica do Estado de São Paulo e os atores do grupo Parlapatões se uniram para criar o espetáculo circense

Por: Tatiane Rosset - Atualizado em

Crianças
Gregório Musatti, Eugênio Lá Salvia, Denis Goyos, Paulo Federal, Claudio Thebas e Paola Musatti, da Cia. do Quintal: performances com improvisação (Foto: Divulgação)

A Banda Sinfônica do Estado de São Paulo e os atores do grupo Parlapatões se uniram para criar o espetáculo Circo de Natal, dirigido por Hugo Possolo. Essa história sem diálogos mostra o ajudante de Papai Noel João Bola (interpretado por Claudinei Brandão), que tem andado meio triste nos últimos tempos. Para animá-lo, duas crianças o levam ao circo, onde poderá ver bailarinas e outros artistas em ação, além de divertidos palhaços. Depois do programa, João fica tão relaxado que até se esquece dos problemas.

A montagem traz acrobacias aéreas e de solo, malabarismos e uma seleção de números cômicos da companhia, a exemplo de Futebol de Palhaços e Águas Dançantes. Tudo é embalado por músicas natalinas e temas contemporâneos, como Fiddle Faddle, de John Willians, e Na Carreira, de Chico Buarque e Edu Lobo. Marcos Sadao rege os 71 instrumentistas da orquestra.

Crianças
O elenco dos Parlapatões: acrobacias, malabarismo e esquetes cômicos (Foto: Divulgação)

Especializada em espetáculos de improvisação e técnicas de palhaço, a Cia. do Quintal preparou especial para celebrar as festas. Jogando no Natal traz três performances. Às quintas e sextas, às 12h,13h30 e 18h, a ideia é inverter os papéis: são as crianças que devem levar os adultos para pedir presentes ao Papai Noel. No sábado e no domingo,a programação começa às 11h com Presepada, uma espécie de presépio vivo que interage com a plateia.

Às 16h, os atores montam A Fabulosa Banda Natalina do Quintal. Com fantasias coloridas, o elenco rodeia o calçadão junto do Centro Cultural Banco do Brasil e canta músicas tradicionais. Seguir o cortejo e acompanhar as canções faz parte da brincadeira.

Fonte: VEJA SÃO PAULO