Memória

O centenário da Padaria São Domingos

No mesmo local desde 1913, o estabelecimento celebra aniversário e prepara livro

Por: Mauricio Xavier [com reportagem de Helena Bertho]

Padaria São Domingos saque revolução 1924
Tentativa de saque na Revolução de 1924: alimento para as massas (Foto: Acervo Museu da Memória do Bixiga)

Ao desembarcar no Brasil no fim do século XIX vindo da Itália, o calabrês Domenico Albanese comprou uma chácara próximo ao centro de São Paulo e instalou um forno para vender pães no atacado. Foi somente em 1913 que abriu a hoje centenária Padaria São Domingos e passou a atuar no varejo, conquistando fama com receitas típicas como o pão recheado de linguiça.

O estabelecimento participou de momentos históricos da capital: para evitar depredação durante um saque promovido por populares esfomeados durante a Revolução de 1924, Albanese distribuiu produtos de graça. O empresário morreu em 1945, aos 84 anos de idade, mas sua família nunca mais deixou o local e a atividade.

Padaria São Domingos Adoniran Barbosa
O compositor Adoniran Barbosa, na frente do estabelecimento, em 1978: clientela fiel (Foto: Acervo pessoal)

Uma mudança chegou a ser cogitada em 1968, quando a casa recebeu uma notificação de desapropriação para abrir espaço à obra do Minhocão. Os donos tanto reclamaram que o elevado acabou deslocado para o negócio continuar de pé na Rua São Domingos. Bisneto do fundador e atual proprietário, Silvio Albanese prepara um livro com a trajetória da padaria. “Mas ainda não há previsão de publicação”, afirma. 

Fonte: VEJA SÃO PAULO