Opinião do leitor

Cartas da edição 2477

Por:

Capa 2477 Aplcativos Mães
(Foto: Negreiros)

Tecnologia

Mãe de primeira viagem e viciada em gadgets, uso diariamente aplicativos que me ajudam nos cuidados com o meu bebê. Entre as sugestões da reportagem “Maternidade eletrônica” (11 de maio), adorei a dica da plataforma que permite usar o celular e o tablet como uma babá eletrônica.

Juliana Oliveira

Negócios

O Reclame Aqui realizou a vontade de muitos consumidores lesados pelas empresas (“Lucros com o mau atendimento”, 11 de maio). Esse site tem feito um trabalho importante, mas ainda vemos respostas que apenas ludibriam o consumidor com aquela velha história: “Respondemos à queixa e estamos fazendo o possível para resolver o problema”.

Marli Bego

Música

MC Soffia faz um contraponto interessante aos cantores mirins que só se dedicam a músicas com conteúdo ofensivo e impróprio para a idade que têm (“Rapper mirim nas paradas”, 11 de maio). A jovem investe em uma arte combativa e que exprime os sentimentos, as angústias e os problemas de uma mulher na periferia da maior cidade do país. Mesmo com a pouca idade, ela demonstra ter muita maturidade, inclusive musical. Parabéns pelo trabalho.

Rosa Siqueira

Cidade

A propósito da reportagem “Um prato cheio para os estudantes” (11 de maio), que tratou da invasão da Assembleia Legislativa de São Paulo por estudantes para pressionar a favor da instalação de uma CPI que apure irregularidades na merenda, penso que, se fossem investigados todos os contratos de fornecimento de alimento para colégios em vigor neste país, o resultado seria alarmante.

Oscar Myake

Memória

Espero que a reforma do aeroporto na Zona Sul da cidade seja de primeira (“Oito décadas de Congonhas”, 11 de maio). É importante que o cidadão acompanhe as obras, porque o investimento é altíssimo. O complexo tem uma história e tanto e merece ser remodelado e modernizado.

Elisângela Ferraz

Moda

Essa moda da barriga de fora é mais para as adolescentes (“A volta dos minitops”, 11 de maio). É difícil imaginar alguém com mais de 30 anos desfilando por aí com o umbigo à mostra. No entanto, quem tem ousadia para isso não deve se limitar. Tem mais é que usar mesmo e ser feliz.

Renata Simões

Fonte: VEJA SÃO PAULO