A OPINIÃO DO LEITOR

Cartas da edição 2390

Por: VEJA SÃO PAULO

Roteiro a prova de crise
Roteiro a prova de crise (Foto: VEJA SÃO PAULO)

› Programas baratos

Costumo dizer que a capital é cenário de grandes espetáculos, shows e gastronomia para todos os gostos e bolsos. Exemplo disso é a capa da última edição de VEJA SÃO PAULO, que, em boa hora, traz um guia completo para quem quer se divertir, comer e gastar pouco (“Com poucas moedas eu garanto a diversão”, 10 de setembro). Vamos aproveitar o que temos de melhor! Ruvin Ber José Singal

Discordo da inclusão dos food trucks na lista dos programas bons e baratos. Eles são a maior falácia! Não alugam espaço, servem em pratos descartáveis, não disponibilizam mesas (banquetas de plástico e olhe lá) e ainda cobram preço de restaurante. Bruno Vaz Picholari

A cidade de São Paulo está entre as metrópoles mais caras do mundo. Felizmente, ainda há espaço para garimpar por aqui programas mais em conta, como prova o roteiro especial da revista. Antonio José Marques

› Cidade

A reportagem mostra como a população tenta se proteger (“Big Brother financiado pela vizinhança”, 10 de setembro), mas não podemos esquecer que a segurança é função do Estado. Cabe à polícia mapear as áreas de risco, deslocar para lá viatura se colocar câmeras interligadas. Eduardo Pereira

A violência nas grandes cidades do país transformou as ruas em verdadeiros campos minados. Não é que as câmeras de vigilância não sejam necessárias, mas elas nos colocam em um Big Brother não autorizado, de certa forma invadindo a nossa privacidade. Abel Pires Rodrigues

› Estética

Ninguém comentou no texto sobre “A juventude do Botox” (10 de setembro) um dos efeitos do produto: paralisar os músculos onde é aplicado. Com as sessões, eles podem atrofiar, causando a impressão de “afundamento” dos olhos, como já se nota em algumas atrizes e apresentadoras, além de prejudicar a expressão facial. Teremos uma geração de mulheres-robôs. Ana Souza

› Paulistano Nota Dez

Parabéns aos profissionais João Paulo Ribeiro e Rubem Ariano pelo projeto que liga os médicos com tempo livre a pacientes carentes (10 de setembro). Com trabalhos como esse, vocês demonstram que boa vontade e iniciativa podem fazer milagres. Penso que, onde estiver, Hipócrates deve estar feliz. Maria de Carvalho Contrera

Se tivéssemos mais homens como os responsáveis pelo Instituto Horas da Vida, nosso país estaria melhor! Nadeije Luzia Lima Franzini

› Ivan Angelo

Agradeço mais uma vez pelos textos do escritor. O encontro dos poetas está tão bem estruturado! Some-se à beleza de suas obras a capacidade do cronista de trazê-las a nós de forma tão bonita! Roberto Sion

› Hospital Universitário

Na reunião do Conselho Universitário (“Saúde debilitada”, 3 de setembro) foi mantida a escala de funcionários e médicos para atendimento aos pacientes do hospital. Sandra Grisi, superintendente do Hospital Universitário da USP

ESCREVA PARA NÓS

E-mail: vejasp@abril.com.br

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente. Envie para Diretor de Redação,VEJA SÃO PAULO. Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente.

Redes sociais: facebook.com/vejasp e @vejasp (twitter)

Atendimento ao leitor: ☎ (11) 3037-2541

Sobre assinaturas: ☎ (11) 5087-2112

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de VEJA SÃO PAULO.

Fonte: VEJA SÃO PAULO