A Opinião do Leitor

Cartas da Edição 2356

Por: Redação VEJA SÃO PAULO

capa VEJASP- edição 2356
(Foto: Divulgação)

› Hambúrgueres

Não é somente a variedade de hambúrgueres, mas também a qualidade desse lanche tão tradicional que alguns estabelecimentos da cidade podem oferecer (“A capital do hambúrguer”, 15 de janeiro). O fato de se encontrarem ótimas opções em locais pequenos, onde o próprio cliente tem de retirar o seu pedido— isto é, não há garçom —, mostra que o público está se preocupando em pagar o preço pelo produto em si e não pelo lugar onde será consumido. Wagner Fernandes Guardia

Lamento não terem sido citadas lanchonetes que fazem parte da história de São Paulo, como Chico Hamburger e Joakin’s, onde a qualidade se mantém há anos. Elas não devem nada a esses novos pontos. Nada contra os estabelecimentos abertos recentemente, mas o que é bom e continua bom merece lembrança. Sugiro uma nova reportagem sobre esses locais mais antigos. Por falar nisso, o melhor cheese salada da cidade, na minha opinião, é o do Chico Hamburger. Fóz Rodrigues

A reportagem poderia terincluído o melhor hambúrguer de todos, o da Hamburgueria Nacional, localizadano Itaim Bibi. Clóvis de Moraes Lui

› Desmanches

O pessoal do Detran deveria visitar a Rua Conde Moreira Lima, no Jardim Jabaquara (“Negócio desmanchado”,15 de janeiro). Por ali estão localizados vários desmanches que deixam carros largados ao longo da rua, o trajeto principal dos ônibus para as estações Conceição e Jabaquara do metrô. Em vinte anos nunca vi um agente multando ou fechando qualquer desses estabelecimentos. Os carros servem até mesmo de moradia para usuários de drogas e outras atividades do gênero. Uma das lojas é tão suja que mal dá para identificar o que está sendo realizado no seu interior. Os moradores pedem socorro, já denunciaram, mas nada muda. Amélia Maria da Conceição

A medida é fundamental para ajudar a reduzir o índice de roubo de carros em São Paulo. O Detran deveria, inclusive, emitir um certificado de funcionamento para ser grudado na parede das lojas de venda de peças usadas. Acredito que isso transmitiria ainda mais segurança aos consumidores do setor. Antonio José Gomes Marques

› Terraço

Vamos ensinar ao Robert Rey que esta frase dita por ele (“Sou milionário e não preciso roubar”) só serve como ofensa para as pessoas pobres e honestas (“Bisturi eleitoral”, 15 de janeiro). A revista poderia publicar uma lista de milionários que enriqueceram ainda mais roubando na política. Assim, quem sabe, ele aprende a ficar de boca fechada. Saad Bachir Doher

› Matthew Shirts

É sempre um prazer ler as crônicas do Matthew Shirts (“Férias paulistanas”,15 de janeiro). Sou fã dele de longadata. Também aproveitei os dias nofim do ano para andar pela cidade e foi ótimo. Pegar o metrô na estação Consolação no fim da tarde e poder se sentar é realmente maravilhoso. Mas aquilo de que mais gosto nas crônicas é o carinho por São Paulo. Que bom seria se mais pessoas tivessem esse mesmo sentimento. Acredito que muita coisa melhoraria por aqui. Alexandre Fontana

Assim como você, Matthew, também sou fã do seriado The Big Bang Theory. No começo fui meio reticente e incrédula. Afinal, o que poderia ser tão engraçado em uma história sobre a amizade entre quatro nerds e seus envolvimentos com as mulheres? Mas comecei a assistir e adorei. O humor é irônico, sarcástico e inteligente. Não perco sequer um episódio. Acho um excelente programa para você e seu filho. Não se sinta culpado, afinal é muito bom e engraçado. E aproveite bastante esse sossego de São Paulo. É nessas horas que podemos realmente conhecer o que há de tão fascinante nesta incrível cidade. Regina Luz

ESCREVA PARA NÓS

E-mail: vejasp@abril.com.br

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente. Envie para Diretor de Redação, VEJA SÃO PAULO. Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente.

Redes Sociais: facebook.com/vejasp e @vejasp (twitter)

Atendimento ao leitor: (11) 3037-2541

Sobre assinaturas: (11) 5087-2112

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de VEJA SÃO PAULO.

Fonte: VEJA SÃO PAULO