Crianças

Bufês infantis fogem de videogames para entreter as crianças

Bufês como o Casa Tupiniquim apostam no folclore e na cultura nacional para divertir as crianças

Por: Juliana de Faria - Atualizado em

Quando as empresárias Mariana Ramos e Ângela Soares eram convidadas para o aniversário dos colegas de suas filhas, elas já sabiam o que iriam encontrar: música alta, quitutes oleosos e falta de integração entre os adultos e os pimpolhos. "O que deveria ser divertimento virava chateação", lembra Mariana. Suas crianças sentiam o mesmo. "Jogos eletrônicos eram basicamente a única opção de entretenimento", diz Ângela. Foi aí que a dupla inaugurou o Casa Tupiniquim, na Vila Madalena, há sete anos. "Nossa proposta é resgatar a cultura brasileira e as brincadeiras de antigamente", explica Mariana.

O bufê, de 500 metros quadrados, é decorado com bonecos de personagens do folclore nacional, como a cuca e o saci. "Não temos nada contra a Disney", conta Angela. "Mas acho importante ressaltar nossas tradições e passá-las para nossos filhos." No local, há salão de teatro com fantasias para os pequenos, quarto de brinquedos e livros, um labirinto e estrutura para arvorismo e tirolesa. "Nada fica amontoado", diz Ângela. "Ainda sobra espaço para a criançada correr à vontade." O mais legal fica por conta das atividades propostas pelos monitores – são brincadeiras de rua pesquisadas em cidades do interior de São Paulo.

A trilha sonora e o cardápio também fogem do tradicional. Das caixas de som saem vozes da MPB como Toquinho, Vinicius de Moraes e Adriana Calcanhotto. "E nada de volume nas alturas", afirma Ângela. Para petiscar, junto com a conhecida coxinha de festa, são servidos sucos naturais, cocada, tapioca, cuscuz de camarão, caldinho de feijão... A proposta parece que foi bem-aceita pelos pais. "Assim como nós, muitos não gostavam dos bufês de sempre", diz Mariana. Tanto é que, no ano passado, outras duas mães resolveram abrir o próprio negócio. A psicóloga Juliana Pagano e a engenheira Laura Anitablian montaram o Espaço Pindorama, na Vila Olímpia. Com 1.000 metros quadrados, segue a linha da Casa Tupiniquim. "É um lugar para adultos e crianças se divertirem juntos", diz Juliana. "Banimos os games que brincam pela garotada." Na decoração, o destaque é para a natureza. "O bufê não é uma caixa para isolar do mundo", afirma. Durante o dia, todos podem brincar em um campo de futebol de areia, ao ar livre. Há ainda ateliê de artes para montar lembrancinhas como bonecas, chocalhos e varinhas de condão. Contadores de histórias entretêm os convidados e monitores pintam rostos.

Satisfeitas com o sucesso da fórmula, as empresárias da precursora Casa Tupiniquim criaram um local nesse estilo para adolescentes e adultos. No sábado passado, a dupla abriu o Oca Tupiniquim, também na Vila Madalena. "Depois de realizarmos um punhado de festas para jovens e até dois casamentos, decidimos inaugurar um espaço só para esse público", diz Ângela. A temática brasileira continua em alta. Nos ambientes abertos foram colocadas uma bananeira, uma palmeira e uma mangueira. O cardápio fica por conta de Elenice Altman, responsável pela cozinha do Genésio, boteco do bairro, e traz especialidades como risoto de carne-seca com abóbora e polenta de colher. Para dançar, o DJ aposta em samba-rock.

Onde festejar como antigamente

Casa Tupiniquim

Rua Fidalga, 360, Vila Madalena, tel: 3817-4488. Festas infantis a partir de R$ 1 900,00 (quarenta pessoas). Crianças menores de 5 anos não pagam.

Espaço Pindorama

Rua Comendador Miguel Calfat, 540, Vila Olímpia, tel: 3045-5190. Festas infantis a partir de R$ 4 000,00 (cinqüenta pessoas). Crianças menores de 5 anos não pagam.

Oca Tupiniquim

Rua Fradique Coutinho, 1379, Vila Madalena, tel: 3031-7996. Festas para adolescentes a partir de R$ 5 500,00 (100 pessoas). Para adultos, a partir de R$ 7 500,00 (100 pessoas).

Fonte: VEJA SÃO PAULO