Litoral

Santos terá bonde com restaurante e música ao vivo

Veículo, que está sendo restaurado ao custo de 1 milhão de reais, terá 36 lugares e circulará pelo centro histórico da cidade

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Bonde - Santos - Especiais - 2273a
Bondinho litorâneo: passeio pela história de Santos (Foto: Ricardo Rollo)

Passeio obrigatório para quem desce a serra, os bondinhos que levam turistas para dar uma volta pelo centro histórico da cidade de Santos, no litoral sul, vão ganhar uma versão gastronômica. O bonde restaurante, como está sendo chamado, é um projeto da prefeitura em parceria com a Companhia de Engenharia de Tráfego da cidade (CET).

+ 35 coisas que só quem é de Santos vai entender

"Ganhamos doações de bondes antigos de vários lugares do mundo. O costume era reformarmos os veículos para ficarem próximos das suas características originais, mas faz algum tempo resolvemos tematizar alguns deles", conta Antônio Carlos Gonçalves, presidente da CET - Santos. O custo de resturação e adaptação está estimado em 1 milhão de reais.

Trazido de Turim, na Itália, o veículo que será usado nesse projeto está sendo reformado na oficina da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). A novidade deve entrar em circulação até junho de 2016. 

Projeto Bonde Restaurante
Projeto do bonde restaurante: promessa da prefeitura de Santos para 2016 (Foto: Divulgação)

Com dois vagões articulados e 36 lugares para passageiros, o projeto também conta com uma cozinha, um banheiro e até espaço para apresentações ao vivo. Ainda não foi definido o valor das passagens, mas as vagas serão limitadas e os passeios serão feitos uma vez por dia. 

Além do lançamento, a prefeitura anunciou que pretende extender o horário de atendimento dos bondes que hoje já circulam na cidade. Eles começarão a operar uma hora mais cedo a partir do dia 8 de dezembro, das 10h às 17h. O bilhete teráo preço reajustado, passando de 6 reais para 6,50.

Serviço

Bondes: saída da Praça Visconde de Mauá, no centro de Santos (crianças menores de 5 anos não pagam).

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO