Arte

O Melhor da Bienal em uma Hora

Os cinco destaques imperdíveis para quem só dispõe de tempo para uma visita rápida

Por: Julia Flamingo - Atualizado em

Não é preciso dispor de muito tempo para visitar a 32ª Bienal: o importante é sair do Pavilhão com a sensação de que valeu a pena. Por isso, fizemos uma lista com cinco destaques entre as 330 obras para quem deseja passar apenas 1 horas por ali. Vai valer cada minuto!

Jonathas de Andrade_32a Bienal
No vídeo de Jonathas de Andrade, pescadores acariciam suas presas (Foto: Leo Eloy/Estúdio Garagem/ Fundação Bienal de São Paulo)

O Peixe, de Jonathas de Andrade: O artista de Maceió registra em vídeo o ritual realizado por alguns pescadores de Alagoas: eles acariciam o peixe até o momento de sua morte. Apesar de incômodo, vale assistir ao filme até o final, já que toma um tempo para que o espectador enxergue a beleza por trás das imagens. A obra está localizada no térreo do Pavilhão.

Enciclopédia Visual Brasileira, de Waldemar Dias Pino: Com colagens, xerox e sobreposições, o carioca faz um inventário de imagens de várias épocas e origens no 2° andar do prédio. O ambiente chama a atenção pelo colorido e os textos rápidos tem dizeres sinceros e, por vezes, cômicos.

Bienal Arte - De-Extinction, de Pierre Huyghe 32º edição
Huyghe: a instalação tem vídeo e uma sala com moscas vivas (Foto: Pedro Ivo Transferetti)

De-Extinction, de Pierre Huyghe: Imagens microscópicas de uma resina fóssil foram transformadas em vídeo pelo artista francês, cujas obras se assemelham a laboratórios científicos . Na instalação do 2° andar  há também uma sala com centenas de moscas (sim, vivas) que o visitante pode observar de perto. Leia a matéria sobre as curiosidades por trás desta obra.

Susan Jacobs_32a Bienal
Instalação de Mariana Castillo Deball é uma das mais bonitas da mostra (Foto: Tiago Baccarin/Estúdio Garagem/ Fundação Bienal de São Paulo)

Hipótese de uma Árvore, de Mariana Castillo Deball: a bela instalação em forma de espiral com bambus e papel japonês está localizada no 2° andar. As imagens foram partir de fósseis e artefatos encontrados em sítios arqueológicos: a artista mexicana colocou papeis em cima de cada objeto e rabiscou até que sua forma e textura fossem registrados,

Through the Mouth of the Mantle de Susan Jacobs: A partir de experimentos caseiros assombrados, como copos que parecem ganhar vida, a australiana produziu vídeos exibem corpos inanimados que se mexem. Também localizado no 2° andar, o trabaho também integra uma instalação com areia.

+Bienal oferece experiências sensoriais Inusitadas

Fonte: VEJA SÃO PAULO