Mobilidade

Bicicletários voltam a funcionar em dez estações de metrô

Novo sistema de aluguel de bikes também passa a funcionar a partir desta sexta-feira (5)

Por: Redação Veja São Paulo - Atualizado em

aluguel bicicleta
Bicicletário do antigo sistema que funcionava no metrô Jabaquara (Foto: Marcus Oliveira)

Os bicicletários e o sistema de aluguel de bikes voltarão a funcionar em dez estações de metrô da capital a partir desta sexta-feira (5). O serviço estava desativado desde o fim do ano passado e retorna sob nova gestão e com algumas mudanças.

Cada estação - nos metrôs Liberdade, Paraíso, Sé, Vila Madalena, Tamanduateí, Brás, Carrão, Corinthians-Itaquera, Guilhermina-Esperança e Santa Cecília - terá dez vagas para estacionamento e um mínimo de dez bicicletas para empréstimo.

Para o estacionamento, as 12 primeiras horas são gratuitas, com cobrança de 2 reais por hora extra. Já no aluguel, os primeiros 30 minutos serão gratuitos, com cobrança de 2 reais a cada hora que ultrapassar esse período.

+ Onde andar de bicicleta em São Paulo

Para utilizar os serviços, é necessário fazer um cadastro nas próprias estações fornecendo nome, RG e endereço. No caso do bicicletário, o usuário deverá informar ainda a marca da bicicleta, cor, valor e assinar contrato de compromisso em utilizar cadeado de boa qualidade. As bicicletas receberão um código que estará cadastrado no sistema. Para o aluguel, o usuário deve ter um cartão de crédito com 450 reais como caução.

Estrutura

Segundo o Metrô, os bicicletários terão equipamentos para ajudar os ciclistas. Caixas de ferramentas, bomba de encher pneu, remendo e cola para pneus furados e bebedouros. Os bicicletários funcionarão de segunda a sexta, das 7 às 22 horas. Nos primeiros 60 dias, os bicicletários abrirão de segunda a domingo no mesmo horário, inclusive aos feriados.

O serviço será oferecido pela empresa Brasil e Movimento, responsável pelo sistema de empréstimo de bicicleta em Barcelona, em parceria com Associação dos Condutores de Bicicletas de Mauá (Ascobike).

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO