Processo

Barrichello ganha ação que pede a retirada de conteúdo do Orkut

Rede social do Google sai do ar nesta terça-feira (30); ação era julgada desde 2006

Por: VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

Rubens Barrichello Rubinho
Rubens Barrichello vai ganhar uma indenização de 200 000 reais por danos morais (Foto: Rafael Cusato)

Oito anos após recorrer à Justiça, o ex-piloto Rubens Barrichello ganhou parcialmente uma ação contra o Google, onde pedia o bloqueio da criação de perfis falsos ou comunidades ofensivas com seu nome no Orkut. A decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) aconteceu na semana passada, mas foi divulgada apenas nesta segunda-feira (29), um dia antes do fim da rede social, que sai do ar oficialmente nesta terça-feira (30).

+ Comunidades do Orkut que vão fazer falta

Na decisão, o STJ desobrigou o Google de bloquear a criação dessas comunidades. Relator do processo, o ministro Paulo de Tarso Sanseverino destacou que o provedor tem apenas a obrigação de oferecer mecanismos de denúncia de conteúdos ofensivos, providenciando nesses casos a retirada das publicações.

+ Internautas lamentam morte do Orkut em redes sociais

Apesar do fim do Orkut e, consequentemente, do desaparecimento do material do ar, Barrichello receberá 200 000 reais de indenização por danos morais.

+ As comunidades mais bizarras do Orkut

Em 2006, o ex-piloto entrou com a ação exigindo a retirada das informações da rede social e uma indenização de 850 000 reais, além de 50 000 mil de multa por comunidade e perfil falsos criados.

+ Confira as últimas notícias

Entretanto, a redução da indenização e a eliminação da multa aconteceram ainda em decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo, que considerou os valores excessivos. 

Em nota, o Google informou que respeita a decisão da Justiça, mas avalia as oções de recurso. "Infelizmente, pelo caso datar de 2006, o STJ não aplicou os novos dispositivos do Marco Civil da Internet, lei vigente desde junho deste ano, que exige a indicação precisa da URL do conteúdo alegadamente ofensivo tanto na notificação prévia quanto na ordem judicial que determine sua remoção. Quanto à indenização, segundo o Marco Civil, apenas pode haver responsabilidade caso o provedor descumpra ordem judicial específica determinando a remoção o que não ocorreu no caso presente", finaliza a nota.

Fonte: VEJA SÃO PAULO