Noite

Endinheirados passam a frequentar baladas fora da pista

A nova onda de quem tem dinheiro é participar de festas “temáticas” em resorts, galpões e outros espaços

Por: Ricky Hiraoka - Atualizado em

Halloween Gala Leopoldo noite ed. 2293
Halloween, da We Clap, no Leopolldo: 800 pessoas se esbaldaram na pista de dança (Foto: Waldemir Filetti)

No último ano, a noite paulistana ganhou quatro clubes dirigidos ao público endinheirado: Ballroom, Louis, SET e Provocateur. Para atraírem os jovens com a carteira recheada, eles apostam em música eletrônica e camarotes exclusivos, que comportam até dez pessoas por 4.000 reais. A fórmula é semelhante à já explorada pelas finadas Pink Elephant e Kiss & Fly.

Não bastasse a concorrência entre elas, essas boates ganharam rivais de peso. Trata-se das festas temáticas promovidas regularmente por agências de entretenimento que alugam resorts, galpões e outros espaços. “De um ano para cá, percebemos que, quando rola uma balada dessas, temos uma queda de 20% em nosso movimento”, admite Armandinho Lara, sócio da Ballroom, que recebe cerca de 750 pessoas por semana.

Esse mercado boêmio alternativo nunca esteve tão quente. No último dia 19, por exemplo, cerca de 800 convidados compareceram à comemoração do Halloween no Leopolldo, sofisticado espaço do Itaim que recebe hoje muitos eventos corporativos e festas de casamento. Entre os presentes, estavam o ator global Sergio Marone, o estilista Ricardo Almeida e a apresentadora do SBT Carolina Castelo Branco, que colocou lentes de contato e caprichou na maquiagem para mostrar seu lado vampira. “O que mais me atrai nessas festas são as propostas lúdicas que elas oferecem”, explica.

Carol Castelo Branco noite ed. 2293
A apresentadora Carolina, num look de vampira: “Adoro as propostas lúdicas” (Foto: Waldemir Filetti)

A cidade foi palco de outras celebrações exclusivas em lugares inusitados nos últimos meses. Em junho, a socialite Marcella Tranchesi, o empresário Mario Velloso e outras 1.200 pessoas lotaram uma casa de suingue na Vila Sônia para curtir a Rock Stars, que exigia um figurino inspirado em bandas do gênero e disponibilizou aos convidados um tatuador e um maquiador.

Outra balada famosa no mesmo estilo é a Flower Power, cuja decoração faz alusão ao movimento hippie, com mensagens de paz e amor pelo ambiente e trilha sonora formada por hits dos anos 60 e 70. A estilista Lolita Hannud foi uma das vips entre as 1.200 pessoas presentes na Casa das Caldeiras, na Água Branca, em março.

Flower Power noite ed. 2293
Flower Power: inspiração hippie (Foto: Julian Marques)

Essas baladas esporádicas costumam ser divulgadas nas redes sociais, figurando com destaque nas páginas oficiais das agências de entretenimento que as promovem. Algumas empresas optam por concentrar a propaganda no boca a boca. “Com isso, garantimos que só gente do nosso círculo social vá aos eventos”, explica Daniel Nasser, da We Clap, responsável pelo Halloween do Leopolldo.

Em geral, o cardápio das festas varia pouco. Com ingressos entre 100 e 350 reais, esses eventos possuem o bar liberado com bebidas de todos os tipos, incluindo rótulos premium, como a vodca francesa Grey Goose. É comum as marcas dos etílicos mudarem de acordo com o patrocinador. “O mais comum é fechar contrato de exclusividade com um fabricante e não oferecer produtos da concorrente”, afirma Rick Fleury, da Multicase, organizadora da Flower Power e da Rock Stars.

Rick Fleury flower power noite ed. 2293
Rick Fleury, organizador do Flower Power: contratos exclusivos com marcas de bebidas (Foto: Divulgação)

Esses eventos surgiram por aqui como uma alternativa a certa padronização das pistas de dança da noite paulistana. “Começamos a achar tudo muito igual, então passamos a realizar esses encontros”, explica Bruno Dias, um dos sócios da Haute, companhia por trás da Benditos, que teve edições promovidas na quadra da escola de samba Rosas de Ouro e na laje de uma concessionáriade veículos na Avenida Rebouças.

Além da venda de ingressos, contribuem para o faturamento marcas que pagam paraparticipar. De bebidas alcoólicas a eletrônicos, há vários segmentos interessados em expor produtos para a classe A.“Algumas empresas se dispõem a pagar até 2 milhões de reais por uma ação de marketing”, conta Rafael Setrak, da uGet, criadora do Baile do Zeh Pretim. No dia 19, as 1.600 pessoas que foram curtir a noitada no Clube Sírio, no Planalto Paulista, tiveram a oportunidadede testar em primeira mão uma nova câmera fotográfica da Sony.

BOEMIA ALTERNATIVA

O calendário do circuito nospróximos meses

 - Sunglasses (10/11): festa anual que reúne cerca de 2.000 pessoas num resort em Itu. O evento começa à tarde e vai até a madrugada. É obrigatório usar óculos escuros. Entre os DJs desta edição estão Dudu Linhares e Ricardo Goldfarb. Os ingressos custam 150 reais para mulheres e 300 reais para homens.

- Benditos (10/11): roda de samba que costuma ocorrer em locais inusitados, como a laje da concessionária de veículos MINI Caltabiano, na Avenida Rebouças. Emedições anteriores, havia uma piscina de 2.000 litros para as pessoas se refrescarem (mulheres, 100 reais; homens, 120 reais).

- Vale Night (15/12): balada que mistura gêneros como axé, eletrônico, sertanejo, pop e funk. Atrai um público mais jovem, na faixa dos 20 anos de idade. O local ainda não foi confirmado.

- Very Merry Christmas (24/12): celebração que ocorre em uma mansão na região do Morumbi. O local deste ano permanece em segredo. A festa começa depois da 1 da manhã e exige que os convidados usem traje de gala.

+ Ouça trechos das músicas que animam as pistas dessas festas

Fonte: VEJA SÃO PAULO