Cidade

Avenida Paulista se transforma em calçada da fama

Músicos trocam bares pela ruas e avenidas, agora amparados por lei

Por: Silas Colombo

vinicius_chagas_paulista_edicao2321
O saxofonista Vinicius Chagas:150 reais por noite. (Foto: Ricardo D'Angelo)

O passeio de fim de tarde pela Avenida Paulista ganhou trilha sonora mais variada nos últimos tempos. De olho em um público potencial diário de 1,5 milhão de pessoas, músicos de diferentes gêneros estão trocando os palcos de bares e casas de shows pela calçada-símbolo da capital. Alguns atrativos para a mudança de cenário são a liberdade de escolher o próprio repertório (o que nem sempre é possível em estabelecimentos comerciais) e a flexibilidade de horário das performances. A esses se junta outro argumento definitivo: o faturamento, em alguns casos, é maior.

Com um chapéu preto e tênis de skatista, o saxofonista Vinicius Chagas embala a happy hour da região há três meses com jazz, soul e funk. “A visibilidade é ótima”, diz ele, encostado na grade ao lado da entrada da Estação Consolação do metrô, na esquina com a Rua Augusta. Enquanto isso, transeuntes enchem sua maleta com notas e moedas: um dia de show no local rende, em média,150 reais, 50% a mais do que lucrava para animar um bar.

Esses intérpretes informais ganharam um apoio oficial na última semana, com a aprovação na Câmara Municipal de um projeto que libera apresentações em espaços públicos (antes era necessário ter um cadastro), além de permitir a venda de artigos autorais como CDs. Para entrar em vigor, falta a sanção do prefeito Fernando Haddad, o que deve acontecer, uma vez que o projeto é apoiado pela prefeitura.

ghb_paulista_edicao2321
O quarteto da banda GHB: sucessos dos Beatles. (Foto: Ricardo D'Angelo)

“A lei ajudará a aumentar o faturamento dos músicos”, acredita o ator Celso Reeks, da Associação Artistas na Rua. Desde janeiro, a banda GHB interpreta sucessos dos Beatles com assédio digno de boy band. O ganho diário chega perto dos 200 reais, o dobro dos tempos de shows em barzinhos. “Agora estamos atingindo uma plateia muito maior”, afirma o baixista Víctor Amaral.

Sax in the Beats
A dupla da Sax in the Beats: jam session animal. (Foto: Fernando Moraes)

Uma performance chamativa pode ajudar a capitalizar as finanças. Nesse ponto, os mais inusitados são o saxofonista Nilton Cezar e o baterista John Paiva,da banda Sax in the Beats, que se apresentam usando máscaras de urso panda e cavalo. “Atraímos muitos curiosos”, diz Paiva. O repertório inclui de MPB a canções pop e costuma levar pedestres a cair na dança. “Em um lugar fechado, essa dinâmica se perde.”

kerubyn_paulista_edicao2321
O violonista de MPB Kerubyn: “Aqui não toco ‘tchu, tcha, tcha’ ”. (Foto: Ricardo D'Angelo)

O violonista José Carlos dos Santos, o Kerubyn, trocou os botecos da Vila Madalena, onde tocou por oito anos, pela calçada do Conjunto Nacional. “Os donos de bares só querem ouvir o ‘tchu, tcha, tcha’ e pagar uma miséria”, diz ele. “Aqui posso tocar as canções de que gosto e não dependo mais deles”, afirma o músico, que executa clássicos da MPB na avenida há dois meses e arrecada até 200 reais por noite. Para a trupe das ruas, só há um “tempo ruim” (literalmente). “Quando chove, não conseguimos trabalhar”, lamenta Santos.

Line-up da rua:

Vinicius Chagas

O que é: Saxofonista

Onde: Esquina com a Rua Augusta

Quando: Sábado, às 18h

GHB

O que é: Banda cover dos Beatles

Onde: Escadaria da Rádio Gazeta

Quando: Sábado, às 16h

Sax in the Beats

O que é: Dupla de saxofone e bateria

Onde: Em frente ao Shopping Center 3

Quando: Segunda, quarta e sexta, às 18h

Kerubyn

O que é: Violonista de MPB

Onde: Em frente ao Conjunto Nacional

Quando: De segunda a sábado, às 19h

Fonte: VEJA SÃO PAULO