Gente

Aritana: "Meu pai sempre cobrou muito e isso me fez mais forte"

Primogênita de Oscar Maroni, dono da boate Bahamas, a paulistana eliminada do Masterchef diz que o programa foi só um degrau para sua trajetória como chef 

Por: Tatiana Izquierdo - Atualizado em

aritana_masterchef
Aritana Maroni: expulsa de colégio na adolescência (Foto: Divulgação)

Na última terça (4), a paulistana Aritana Maroni se atrapalhou no preparo de uma torta de maçã e se tornou o décimo primeiro aspirante a cozinheiro eliminado do reality show exibido pela Band. “Sou péssima com doces, não sei fazer mesmo. Nunca tinha feito uma torta e me dei mal”, afirma a filha de Oscar Maroni, polêmico dono da boate Bahamas.

+ MasterChef: nove coisas que você não sabia sobre o programa da Band

Aos 36 anos, casada há dez anos com Paulo, um amigo de infância, e mãe de Igor, de 10 anos, e Manuela, de 7 anos, Aritana foi uma das participantes de destaque do programa por causa do seu jeito duro de jogar e pela rivalidade com outro concorrente, Fernando. “Aquilo era um jogo e eu precisava ganhar. Tinha que me defender.” A “casca” e o jeito mandão e desbocado herdou do pai, diz ela, que recebeu VEJA SÃO PAULO na boate de Maroni, em Moema (Zona Sul). “Apesar desse jeito despachado dele, meu pai sempre foi rígido e isso fez de mim uma mulher mais forte.”

+ Oscar Maroni interrompeu “ménage” para ver a filha no “MasterChef"

aritana-eliminada
Aritana deixa o avental na bancada do Masterchef após sua eliminação (Foto: Reprodução/Band)

No lado de fora do MasterChef, no entanto, a ideia é trabalhar em conjunto. Nos planos está a criação do Bendita Colher, projeto de food truck que servirá um prato diferente a cada dia e contará com chefs convidados. Ainda na cozinha, Aritana alimenta o sonho de fazer um estágio em um dos restaurantes do chef Henrique Fogaça, um dos jurados do programa.

+ Fogaça fala sobre a doença da filha em eliminação de MasterChef

“O MasterChef foi uma grande escola. Vou estudar mais e aprender com tudo isso. Não vou desisitir de ser chef.” De seu escritório, entre reuniões e telefonemas, o pai falava com empresários e emissoras de TV e cuidava também dos negócios da filha. “Ela tem de aproveitar essa oportunidade e se jogar. Ela vai ganhar o mundo”, afirma, orgulhoso.

aritana-eliminada2
Aritana abraça Paola Carosella, jurada do programa (Foto: Reprodução/Band)

Quando questionada se a fama do pai atrapalhou-a na competição, confessa que só a equipe da produção inicialmente sabia sobre seu histórico familiar. “Os participantes e os jurados nem imaginavam, só depois foi revelado.”

Inspiração indígena

Aritana é a primogênita da família Maroni, formada ainda por três homens: Aruã, Aratã e Acauã. Os nomes foram inspirados na novela Aritana, exibida pela Tupi em 1978 e que tinha como astros Carlos Alberto Ricceli e Bruna Lombardi. “Aritana na novela era um personagem homem. Mas, na língua indígena, o nome significava ser guerreiro, ter poder. Eu usei para batizar minha primeira filha”, conta Maroni.

aritana-familia
Em família: em um dos escritórios da boate Bahamas, Oscar Maroni deita sobre o colo dos filhos e genro. Aritana ao lado do marido, Paulo (de preto), e dos irmãos Aruã (de vermelho) e Aratã (de branco) (Foto: Tatiana Izquierdo)

Da infância até os 20 anos, ela morou na Rua Oscar Freire, entre a Rebouças e a Artur de Azevedo. Depois que os pais se separaram, ficou por um tempo com a mãe no bairro Paraíso. Estudou no tradicional colégio Dante Alighieri, nos Jardins, e diz ter sido expulsa por não gostar de estudar e ser muito arteira. “Eu odiava escola. Pulava o muro para ir para a rua. Arrumava briga para defender meus irmãos, meus amigos. Além disso, tinha dislexia e o colégio disse que ali não ia rolar”, conta aos risos. Depois de concluir o ensino médio aos trancos e barrancos, graduou-se em cinema na Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP).

+ Erick Jacquin: carrasco só na TV?

Na rotina juvenil, ainda havia espaço para trabalhar com o pai na casa de entretenimento adulto, algo que despertava a curiosidade dos amigos homens. “Meu pai era bem rígido e não deixa a gente circular pela boate. As salas do escritório e a cozinha eram os nossos limites”, conta.

+ 15 fotos e vídeos do Instagram dos jurados do “MasterChef” que você precisa ver

Crescer em um meio tão heterodoxo poderia ser um sofrimento para algumas pessoas. “Nunca me maltrataram por meu pai ter uma casa onde homens e mulheres se divertem.” Outro ponto, segundo ela, foi enxergar o mundo com outra perspectiva. “Aprendi a não ter preconceitos.”

Até camisinhas

Ao andar pelo salão principal do Bahamas, todas as mulheres que trabalham por lá chamam a ex-MasterChef carinhosamente de “Tana”. Às 16h, quando recebeu a reportagem, alguns clientes já circulavam de roupão em meio às garotas seminuas.

aritana-chef-bahamas
Aritana e o chef Benê, responsável pela cozinha do Bahamas: pitacos na hora de elaborar os pratos servidos na casa (Foto: Tatiana Izquierdo)

De uma das salas do Bahamas, onde atualmente trabalha, conta que passou a se interessar pelo mundo das panelas ainda jovem, inspirada pelos avós italianos. A especialidade do avô era o capeletti in brodo, que acabou se tornando uma herança familiar. “Depois que ele morreu, eu e minha mãe passamos a preparar a massa. Servimos sempre no Natal.” Apesar do valor afetivo do prato, ela diz preferir preparar risotos e carnes.

Aritana, no entanto, não se mete na cozinha do Bahamas. Quem comanda o espaço é o chef Edilson Bandera. "Ali só dou pitacos na hora de montar o cardápio.” Ela fica responsável pelo abastecimento do local. “Vejo o que precisa na cozinha, no bar e até se faltam camisinhas.”

Fonte: VEJA SÃO PAULO