Crise hídrica

Após 17 dias consecutivos de alta, Cantareira fica estável

Reservatório Alto Tietê também permanece com mesmo nível; outros três sistemas tiveram alta

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

Cantareira
Represa de Joanópolis, que compõe o Sistema Cantareira (Foto: Luis Moura/WPP/Folhapress)

Depois de um dos maiores períodos de altas consecutivas desde o início da crise hídrica, com elevações das represas por 21 dias seguidos, o Cantareira permeneceu estável nesta sexta-feira (27). O sistema, principal responsável pelo abastecimento de São Paulo e da região metropolitana, estacionou em 11,1% de sua capacidade. O Alto Tietê, segundo sistema mais importante para capital também permaneceu estável, em 18,3%.

Na terça-feira (24), o Cantareira recuperou a segunda cota do volume morto, ao atingir o volume de 10,7%. O sistema voltará a operar com seu volume útil quando chegar a 29,2%, que representa a soma das duas cotas da reserva técnica.

Outros três sistemas controlados pela Sabesp apresentaram alta nesta sexta. O Guarapiranga, que fica na Zona Sul da capital, passou de 59,8% para 60,1%. O Rio Claro, aumentou de 0,1 ponto percentual, de 35,7% para 35,8 %. O Alto Cotia apresentou a maior elevação, indo de 37,7% para 38,6% da capcidade.

Composto pela Represa Billings, uma das altervativas do governo para o suprir abastecimento, o Rio Grande vem apresentando quedas constantes. Nesta sexta, o sistema caiu 0,2 ponto percentual, saindo de 83,3 % para 83,1 %.

Fonte: VEJA SÃO PAULO