Motorista de Porsche bate em cinco carros no centro

Acidente aconteceu na manhã de domingo na proximidades da Rua da Consolação e Praça Roosevelt. Ninguém se feriu 

Um motorista de um Porsche Cayenne, que estava alcoolizado, foi preso na manhã de domingo após ter colidido com cinco veículos na região central da cidade. Apesar dos estragos, ninguém se feriu. 

+ Pedestres são quase metade das vítimas no trânsito

De acordo com a polícia, o acidente aconteceu nas proximidades da Rua da Consolação com a Praça Roosevelt após o homem deixar uma casa noturna na Rua Araújo. Ele estava acompanhado de seu filho, de 20 anos.

A Polícia Civil informou que o teste de dosagem alcoólica constatou que o motorista estava embrigado.

+ Confira as últimas notícias 

Levado para o 2º Distrito Policial (Bom Retiro), ele foi liberado após pagar fiança de 3 000 reais.

Reportagem de capa desta semana de VEJA SÃO PAULO mostrou que os pedestres são as maiores vítimas do trânsito paulistano. No ano passado, das 1 249 mortes nas ruas, quase a metade delas (555) foram vítimas de atropelamentos. O número é superior ao de motociclistas (440), mais que o dobro do de ocupantes de automóveis (207) e doze vezes o de ciclistas (47) mortos. Há uma ocorrência a cada dezesseis horas, o que garante a São Paulo o título de metrópole mais violenta do país nesse aspecto. Por aqui, ocorrem quase dois atropelamentos fatais a cada 24 horas. Em outras capitais, como Salvador, a média é de um acidente do tipo a cada quatro dias.

Entre as vias daqui com ficha corrida mais extensa estão as marginais Tietê e Pinheiros, com quinze e dez casos no ano passado, respectivamente, e as estradas de Itapecerica e M’Boi Mirim, ambas na Zona Sul, com sete e seis. Mas pode-se dizer que a liderança no ranking de brutalidade é da Avenida Marechal Tito, em São Miguel Paulista, na Zona Leste. É lá que há a maior proporção entre o número de pedestres mortos e o total de vítimas.

+ André Frateschi vai comandar vocal do Legião Urbana

+ Galeria Metrópole é processada por bar e balada

Esse cenário, historicamente desastroso, piorou recentemente. Após alguns anos de queda nos índices de mortalidade, houve crescimento de 8% entre 2013 e 2014. A situação torna-se mais dramática porque a caminhada é a forma básica de locomoção na cidade, responsável por um terço dos 44 milhões de viagens realizadas por ano. “Há algumas iniciativas interessantes, mas ainda não tratamos as pessoas com o mínimo de respeito”, afirma o professor Creso de Franco Peixoto, especialista em transporte do Centro Universitário FEI.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s