Morre carioca encontrado por amigos de infância na Cracolândia

Carlos Eduardo Albuquerque de Maranhão, o Cadu ou Sarda, de 46 anos, tinha o tratamento custeado por colegas de infância

Um homem natural da cidade do Rio de Janeiro encontrado na Cracolândia da região central de São Paulo morreu na noite desta quarta-feira (7) em uma clínica de recuperação para dependentes químicos. Carlos Eduardo Albuquerque de Maranhão, o Cadu ou Sarda, de 46 anos, tinha o tratamento custeado por amigos de infância, que o reconheceram em um vídeo publicado na internet pela página Jornalistas Livres.

A informação da morte foi publicada no Facebook pelo executivo Carlos H. Moreira Jr., amigo que iniciou a campanha para ajudar Cadu. O movimento reuniu antigos colegas do Colégio Santo Inácio na Zona Sul do Rio de Janeiro, que estudaram com Cadu.

O grupo lançou uma campanha de crowdfunding para financiar o tratamento.

(Reprodução/Veja SP)

Nosso Sarda faleceu há poucas horas durante o período mais crítico de abstinência pela qual passava. Estou vazio, com as emoções bloqueadas e preso dentro de um avião com Wi-Fi. Tristeza profunda“, publicou Moreira Jr. “Entreguei a noticia à família com um enorme peso nas costas. Eu sou parte de um grupo de pessoas que agiu de forma coordenada e movido por um só sentimento, que é o amor.”

Moreira Jr. não divulgou detalhes sobre como Cadu morreu.

Intitulada “Nova chance ao Cadu”, a campanha ficaria dois meses no ar para tentar arrecadar 200 000 reais. No primeiro dia, os colegas conseguiram quase 10% do valor em aproximadamente setenta doações.

Confesso que faria tudo o que fiz novamente. Imagino que o grupo também. Sem tirar nem por. O Sarda disse em determinado momento que se chegássemos três meses mais tarde ele não estaria mais vivo“, continuou Moreira Jr., em outro trecho.

Na publicações, outros amigos de infância de Cadu e pessoas que se comoveram com a história prestaram solidariedade.

Você foi o portador e o mensageiro do amor que sentíamos por nosso amigo ruivo pleno de sardas. Em seu coração, ele leva para o plano espiritual a certeza de que em algum momento da vida ele foi amado e querido, em um colégio singular, composto de pessoas especiais“, escreveu Luiz Eduardo Soares Fragozo. “Parabéns por suas ações. Que Deus o acolha com compaixão e sua família com conforto.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s